Book: Business Intelligence



Business Intelligence

Business Intelligence

ISBN

Impresso e PDF: 978-85-5519-252-4

EPUB: 978-85-5519-253-1

MOBI: 978-85-5519-254-8

Você pode discutir sobre este livro no Fórum da Casa do Código: http://forum.casadocodigo.com.br/.

Caso você deseje submeter alguma errata ou sugestão, acesse http://erratas.casadocodigo.com.br.

A QUEM ESTE LIVRO SE DESTINA

Os dois primeiros capítulos deste livro são puramente conceituais. Não tratam de tecnologia, nem demandam

conhecimentos em programação, quaisquer que sejam. Eles se destinam aos que precisam entender o que é (de verdade) Business Intel igence (BI), do que ele é composto e o que esperar dele, por que implementá-lo e os desafios de um projeto de BI.

Os demais capítulos discorrem objetivamente sobre o passo a passo para implementar uma plataforma de BI na íntegra, com exemplos, códigos, explicações e conceitos que lhe permitirão solucionar os cenários reais de sua empresa. Organizado dessa forma, este livro se destina a:

Todos aqueles que estão com o clássico problema:

“preciso melhorar as ferramentas de tomada de decisão

da minha empresa! O que fazer?”

Neste livro, definimos o que é Business Intelligence e para o que ele serve. Com esses subsídios, entender qual o momento de sua empresa e avançar nesse caminho se tornarão tarefas bem mais claras.

Todos aqueles que já sabem o que fazer, mas ainda não

têm ao certo o “como”.

Cobrimos a criação de uma solução de BI desde a sua concepção até a disponibilização final das análises aos usuários em seus diferentes níveis! Trilhamos o caminho item a item, a fim de determinar o que fazer, independentemente de você seguir as tecnologias aqui empregadas ou outras similares.

Todos aqueles que, conhecendo bem ou não os conceitos de BI, acreditam que é uma solução cara demais para sua empresa ou para seu momento.

Sem o gasto com ferramentas e usando os recursos disponíveis em sua empresa, pode-se progredir muito em termos de soluções de tomada de decisão. Este livro guia os passos que lhe levarão do zero ao melhor uso de uma ferramenta gratuita e, ainda, com total possibilidade de evolução para as soluções pagas mais conceituadas do mercado!

Todos os interessados em se aprofundar

conceitualmente e tecnicamente em Business

Intelligence.

Se sua empresa investiu em um projeto de BI que se inicia, ou se você simplesmente está estudando o assunto, não deixe de ler este livro. Uma enorme quantidade de informação errada ou

simplesmente tendenciosa bombardeia quem se embrenha nessa ciência. Este livro fornece fundamentos claros e isentos sobre o tema!

SOBRE O AUTOR

Ronaldo Braghittoni, executivo de Tecnologia da Informação com mais de 15 anos de experiência em implantações de Business Intelligence e Gestão de Projetos. Co-fundador e Diretor de operações da consultoria SENNIT (http://www.sennit.com.br).

Evangelista convicto dos processos de Gestão pragmática e Transformação digital.

Casa do Código

Sumário

Sumário

1 Introdução

1

1.1 Definindo Business Intelligence

1

1.2 O projeto Business Intelligence

11

1.3 Por que implementar BI a custo zero

17

1.4 Conclusão

20

2 Arquitetura e ambiente

22

2.1 Arquitetura de uma plataforma de Business Intelligence

22

2.2 A tecnologia escolhida e a montagem do ambiente

37

2.3 Conclusão

52

3 O desenho do Data Warehouse

53

3.1 O cenário

53

3.2 O Data Warehouse

62

3.3 Conclusão

87

4 O processo de ETL

88

4.1 Considerações iniciais

88

4.2 Data Stage

89

4.3 Manipulação de arquivos

92

4.4 Carregando a dimensão Data

99

4.5 Carregando a dimensão Cliente

103

Sumário

Casa do Código

4.6 Carregando a dimensão Geografia

107

4.7 Carregando a dimensão Funcionário

113

4.8 Carregando a dimensão Produto

116

4.9 Carregando a Fato de Venda

120

4.10 Carregando a Fato de Detalhe de Venda

125

4.11 Agendamento e carga no dia a dia

129

4.12 Revisão e testes

137

4.13 Conclusão

139

5 Expondo as informações

140

5.1 Opções de consumo do Business Intelligence

140

5.2 Obtendo as ferramentas e add-in

141

5.3 Criação e publicação do dashboard

150

5.4 Criação e publicação do relatório de Detalhe

174

5.5 Criação e disponibilização da Planilha de Consulta Dinâmica 5.6 Conclusão

193186

6 Estendendo a sua plataforma gratuita

194

6.1 Alternativa para a limitação de tamanho do Data Warehouse 6.2 Reporting Builder

195194

6.3 Power BI Desktop

198

6.4 Conclusão

200

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

produzimos, o que impede o cliente de aceitar o

faturamento? Ligando para o CFO, ele seria informado

de que as NFs foram emitidas, mas os clientes de uma

determinada região estão negando o pagamento!

Falando com o COO, ele é informado de que as

entregas de uma região não estão ocorrendo, porque

uma transportadora está em greve!

Nesse exemplo, nota-se a importância não só de ter a

informação, mas de tê-la de forma contextual, em

conjunto com outras informações relevantes. O

“fenômeno” nesse caso seria o impacto na meta de

faturamento por conta de um fornecedor de transporte.

Já dizia a máxima de que:

“O conjunto de dados gera um registro, o conjunto de registros gera uma informação e o conjunto de informações gera o conhecimento!” — Autor desconhecido

1.1 DEFININDO BUSINESS INTELLIGENCE

3

Business Intelligence

informações de forma que elas sejam analisáveis pelos usuários. Esses sistemas são chamados de OLAP (on-line analytical process).

OBSERVAÇÃO

Usualmente, usa-se o termo OLAP para definir apenas os bancos de dados multidimensionais (os chamados “CUBOS”,

que comentaremos adiante) e não a plataforma toda de BI. Não vou entrar no mérito de certo ou errado de definições, mas não só de cubo vive a análise.

Mas por que copiar os dados dos Sistemas

transacionais? Eu não posso consultar diretamente

deles?

Essas perguntas são frequentes! Tão frequentes que alguns fornecedores de ferramentas de BI simplesmente pulam a etapa de copiar os dados, e passam a apresentar informações com leitura direta dos sistemas transacionais. Mas responder essas perguntas mostrará a fragilidade da abordagem desses “players”.

Copiam-se os dados para uma base centralizada por 4 motivos

principais:

1. Os dados podem ser consultados sem atrapalhar o processamento diário dos sistemas transacionais: fazer consultas que somam históricos semestrais, anuais ou

intervalos ainda maiores pode impactar na performance do sistema, ou encarecer sua infraestrutura para que seu hardware seja capaz de responder às consultas sem impactar o dia a dia.

1.1 DEFININDO BUSINESS INTELLIGENCE

5

Imagine parar o faturamento de uma empresa no meio do último dia do mês porque se quer saber como foi o

movimento do ano passado! A carga dos transacionais para o

analítico é feita em horário controlado e sempre do “delta”, ou seja, somente do que ainda não foi carregado. Geralmente, essas cargas se encerram durante a madrugada e não

impactam nos processos produtivos.

2. Os dados, ao serem copiados para uma base unificada, são validados: por passar por processos de carga periódicos (o chamado ETL que veremos adiante), os dados são

previamente validados quando centralizados pela plataforma

do BI. Se houver algum erro, uma lista de exceção é criada e o dado não é computado. Análises de erro são periodicamente

executadas. Sem esse processo, erros de sistemas podem passar anos desapercebidos!

3. Os dados colocados no BI passam a ser “eternos”: sistemas transacionais muitas vezes possuem rotinas de expurgo de dados a fim de garantir a performance. Se os dados estiverem na sua plataforma de BI, eles podem ser apagados dos transacionais sem problemas! Consultas comparando ano a ano desde a última década, por exemplo, podem ser

executadas sem a necessidade de se retornar backup de arquivos mortos etc.

4. Os dados de sistemas diferentes se tornam “próximos”: não é incomum você encontrar a mesma informação guardada de

forma diferente em sistemas distintos. No sistema de

Faturamento, você tem o Id_cliente como numérico e, no

CRM, você tem o CD_CLI como texto. Ambos têm a mesma

informação e tratam do mesmo cliente.

Eventualmente, essas informações estão gravadas de forma tão distinta que, por exemplo, saber qual o faturamento do cliente 6

1.1 DEFININDO BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence

que abre mais reclamações pode ser algo bastante complexo!

Ao unificar as informações em um local, essas consultas de dados de vários sistemas se tornam extremamente simples.

Isto é, ferramentas que efetuam consultas diretamente contra as bases transacionais são interessantes pela velocidade com que são implementadas. Porém, por definição, não podem ser chamadas de ferramentas de BI. Quando muito, são ferramentas de relatórios.

É interessante notar que essas ferramentas possuem um apelo de vendas muito forte e que, em demonstrações e reviews, são sempre bem cotadas. Isso porque elas têm a capacidade de exibir as informações oriundas dos transacionais de forma extremamente avançada e com apenas alguns cliques. Contudo, quando os usuários passam a estágios mais avançados do consumo de informações (conforme falaremos adiante, ainda neste capítulo), elas passam a gerar frustração.

A satisfação é gerada no momento em que se pergunta “Quais as informações?” . Essa resposta é dada rapidamente. Mas isso é um subset do que uma plataforma de BI pode fornecer, e a frustração 1.1 DEFININDO BUSINESS INTELLIGENCE

7

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

resolveriam. Atualmente, são diversos “players”

cobrando vultuosas somas para implantar aquilo que

um ou outros softwares combinados fazem de graça e

com mais poder!

Mas ao se decidir por implantar uma solução de BI,

independente de usando este livro como guia ou tendo comprado uma plataforma de muitos milhões, é preciso ter em mente os benefícios que ele trará. Parece mais uma afirmação óbvia, mas vamos mencionar algumas boas práticas nesse sentido mesmo assim.

Quando uma empresa decide por investir em uma implantação

de BI, geralmente algum problema está sendo apontado como

“sponsor” da iniciativa. Por exemplo, pode-se implantar BI para que

“um book informativo seja gerado instantaneamente, dado que atualmente se leva uma semana”.

Nesse contexto, é interessante ter bem mapeado os benchmarks de como o processo era, quanto tempo ele levava e quanto custava e, se possível, qual a sensibilidade dele a erros de dados. Ao final da implantação, demonstrar os ganhos será fundamental para que a iniciativa cresça e alcance novas áreas e funções.

Informação e conhecimento têm um efeito viral dentro das empresas. Quando um departamento tiver acesso a informações confiáveis e de forma instantânea, mais e mais demandas aparecerão. Manter o controle de como era o processo antes do BI e depois de cada uma dessas iniciativas dele é algo que historicamente se mostrou extremamente importante. A memória de quem paga a conta é, geralmente, bastante volátil.

12

1.2 O PROJETO BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Note no exemplo anterior (extraído de uma implantação para uma empresa de logística), que uma ou outra implantação sairia mais cara no primeiro ano do que o próprio projeto de BI. Isso é bastante normal principalmente para a primeira implantação que paga todo o “setup” do projeto. Contudo, mais e mais implantações e o decorrer dos anos provarão a viabilidade financeira do investimento, principalmente quando feito sem custo de licenciamento.

Outro ponto é quanto à sensibilidade das informações: vimos uma vez que uma empresa de energia foi multada em alguns 1.2 O PROJETO BUSINESS INTELLIGENCE

13

Business Intelligence

milhões por fornecer dados incorretos ao ministério. Só essa multa pagaria toda a implantação de uma plataforma de BI que geraria as informações automaticamente e sem erros! Isso sem contar nos danos à marca.

Uma vez feitos os levantamentos de demandas e feita a priorização de qual iniciativa será a primeira, e depois de se levantar o benchmark, inicia-se o projeto propriamente dito. Não vou me delongar em processos de gestão, mas uma das questões mais importantes de um projeto é o seu escopo. E definir o escopo de um projeto de Business Intelligence pode ser algo complicado.

Por sua natureza, uma plataforma de BI deve permitir ao usuário a criação de suas próprias visões de dados, de seus próprios relatórios. Isso gera infinitas possibilidades de relatórios, de tabelas dinâmicas e gráficos.

Então como contemplar tudo isso em um escopo e

ainda evitar que se torne um “projeto infinito”?

Existe um artefato que vem em nossa salvação!

A Matriz de Fatos e Dimensões (ou MFD) é um documento que rege o que cada implantação do BI vai conter e, de quebra, nos apresenta dados técnicos como a granularidade, fórmulas e origens.

Todos esses termos serão cobertos em detalhes nos capítulos técnicos a seguir, mas para a boa gestão de um projeto de BI, deve-se, antes de iniciar o desenvolvimento, criar o mapa do que será entregue. Esse mapa é a MFD!

14

1.2 O PROJETO BUSINESS INTELLIGENCE

Tomando por base esse exemplo, temos que a coluna Measure serão os Fatos que serão entregues e que as colunas ao lado (Data, Empresa, Diretoria, Gerência e Colaborador) serão as Dimensões.

Os X são os cruzamentos oferecidos. No exemplo,

mostraríamos quantas solicitações foram feitas e qual a idade em dias de cada uma delas, por data e para cada colaborador de cada empresa. E se seguíssemos a matriz, poderia haver Diretoria, Gerência, Departamento etc.

Ao lado esquerdo de Measures , podemos ter informações técnicas (que cobriremos nos tópicos de ETL e de visualização, adiante). Junto a Dimensão , também temos algumas informações técnicas que servem para guiar o desenvolvimento.

A princípio, se tivermos uma MFD apenas com o nome das Dimensões e das Measures, e os X representando o cruzamento entre elas, já temos o suficiente para a gestão de Escopo!

Uma vez definidas quais informações estarão disponíveis, deve-se ater a como exibi-las informações e para quem. Conforme comentamos anteriormente nas definições sobre as visualizações, a entrega das informações da forma correta para o público correto é uma das maiores possibilidades de problemas que permeará a vida da plataforma de BI.

Não obstante a esses entregáveis, um projeto de BI, como veremos a seguir, é feito pela implantação técnica de cargas, persistência e exibição, e também pela capacitação dos usuários.

Principalmente em uma nova implantação, não espere que seus usuários saiam usando a plataforma sem nenhum problema!

A nomeação dos Key users é extremamente importante. Eles que serão treinados e responsáveis por multiplicar o conhecimento em suas respectivas áreas. Seguindo as melhores práticas de gestão 1.2 O PROJETO BUSINESS INTELLIGENCE

15

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Se sua empresa não possui uma solução de Business Intelligence, é bem provável que ela se encontre entre os níveis Desavisado ou Tático. Ou seja, os dados estão espalhados em sistemas e em planilhas descentralizadas. Não é incomum dois departamentos chegarem a números diferentes para o que deveria ser a mesma informação.

Quando se opta por implementar uma plataforma de BI, passa-

se para o nível Focado, ou seja, a informação e o conhecimento passam a ter a mesma relevância que a operação do dia a dia. Só que isso ocorre geralmente em uma determinada área. Um sponsor que entende essa necessidade e que solicita a implantação do BI. Ele, inicialmente, estará sozinho nessa empreitada.

Por isso que uma implantação a custo zero é

importante

Já presenciei iniciativas que nunca passaram do estágio de proposta comercial, porque a área demandante não possuía o budget necessário para, sozinha, pagar pelos servidores, licenciamentos e consultoria. Como outros departamentos ainda estavam em estágios iniciais, a iniciativa do BI não saia do mundo dos desejos de poucos usuários.

18

1.3 POR QUE IMPLEMENTAR BI A CUSTO ZERO

Contudo, imaginando que o BI simplesmente “aparecesse funcionando” para essa primeira iniciativa, ele rapidamente passaria a ser desejado por outros departamentos da empresa e novas implantações de dados e visões seriam solicitadas. E esse seria o caminho para que a empresa atingisse os níveis Estratégico e, quem sabe, Universal.

O objetivo dessa implantação sem custos é o de, justamente, fazer a empresa dar os passos para o estágio Focado e, em certo nível, atingir o Estratégico. E esse é o segredo:

Implantar uma solução gratuita que vai se pagar enquanto os

usuários entendem o que é o Business Intelligence e o que ele pode oferecer, saindo assim do estágio Desavisado ou Tático e entrando no Focado. Mas também, implementar uma solução

que seja facilmente transportada para uma arquitetura

“parruda”, com infindáveis recursos quando a corporação amadurecer para o estágio Estratégico!

Antes de haver necessidades reais que não são atendidas por uma plataforma gratuita, investir milhões em ferramentas pagas é um caminho perigoso. E se seu usuário nunca amadurecer a ponto de requisitar aquilo que só aquela ferramenta entrega? E se o budget for consumido no licenciamento e não no desenvolvimento? Que valor vamos entregar?

E nesse ponto entra outra afirmação bastante recorrente quando falamos em implementar uma solução que não envolverá custo de licenciamento:

1.3 POR QUE IMPLEMENTAR BI A CUSTO ZERO

19

“É preferível uma solução mais profissional para a nossa necessidade. .”

Curiosamente, nada é mais amador do que usar o preço como

fator decisório.

Recentemente, li um artigo de um sommelier que listava excelentes vinhos a um baixo custo. Para conseguir fazer essa lista, ele precisou ter um grande conhecimento sobre o que compõe um excelente vinho e ter habilidade suficiente para identificar essas características. Eu, por outro lado, já presenteei alguns amigos com péssimos vinhos mesmo tendo optado pelas garrafas mais caras da adega. A diferença é que ele entende realmente de vinhos, e eu sou um grande amador no assunto.

De forma análoga, ao optar por uma solução paga simplesmente por ela ser paga ou ser famosa, denota falta de conhecimento sobre o que cada ferramenta oferece e sobre quais são as reais necessidades de cada demandante.

É claro que optar por soluções caras e conhecidas trará um conforto a quem está implementando o BI. Se tudo falhar, pelo menos a escolha foi a menos controversa possível. Já ouvi justificativas como “o que mais eu poderia ter feito?

Implementamos a ferramenta mais cara do mercado!”.

E o mais interessante é que os insucessos não ocorreram apesar da opção da ferramenta, mas por causa dela.

1.4 CONCLUSÃO

O que vimos até agora são as definições básicas de Business 20

1.4 CONCLUSÃO

Intelligence e um pouco dos motivos pelos quais devemos implementá-lo paulatinamente, bem como os desafios e soluções dos projetos de implantação de uma plataforma de BI.

Nos próximos capítulos, entraremos no hands on. Vamos montar todo o ambiente necessário, e implementar a solução por completo!

1.4 CONCLUSÃO

21

CAPÍTULO 2

ARQUITETURA E

AMBIENTE

2.1 ARQUITETURA DE UMA PLATAFORMA DE

BUSINESS INTELLIGENCE

Como vimos no capítulo anterior, uma plataforma de BI deve

ser implementada paulatinamente. Entretanto, desde seu início, ela deve ter por definição a capacidade de crescer, de agregar mais ferramentas, mais dados, mais usuários e atender a mais e mais necessidades.

Antes de entrarmos na tecnologia que suportará essa

plataforma, vamos conhecê-la em mais detalhes afim de entender quais as preocupações que precisaremos ter em mente quando formos escolher essa tecnologia. No esquema a seguir, temos a plataforma de BI e seu encaixe dentro de uma corporação.

22

2 ARQUITETURA E AMBIENTE

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

momento atual.

Veja o exemplo de um package do SQL Integration

Services, que é um fluxo de carga dos dados com

agregações, consumo de serviços, obtenção de dados de

diversas fontes e a persistência na base desejada. Um package geralmente atende a todo o processo, desde a

extração, a transformação até a carga.

Data Warehouse (DW)

Como mencionamos anteriormente, o Data Warehouse é o

coração de sua plataforma de BI! Ele é um banco de dados relacional como qualquer outro dos sistemas transacionais (servido pelos SGDBRs de mercado, tal qual o SQL Server, Oracle, DB2 etc.).

Contudo, ele é desenhado para responder às pesquisas da forma mais performática possível.

Em bancos de dados Transacionais, temos de nos ater à díade

clássica de que: se aumentarmos a performance para SELECT , 26

2.1 ARQUITETURA DE UMA PLATAFORMA DE BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

que, quando um dado é inserido em seu DW, ele se

torna imutável! Não pode ser apagado, não pode ser

atualizado! Isso porque, se for diferente, as informações

do passado podem apresentar diferenças quando

consultadas em momentos diferentes. Tudo bem que

nosso futuro é incerto, mas ter incertezas no passado é

algo que denigre a confiabilidade de qualquer

informação. Contudo, existem leves exceções.

Vamos ver no modelo do nosso DW adiante que pode

haver a necessidade de alterarmos “flags” em

determinadas dimensões, de alterarmos um valor

totalizador etc. Ter alterações extremamente

controladas e com motivos bastante claros é permitido,

mas temos de ter em mente que essas alterações não

podem, de forma alguma, mudar as informações que o

BI apresentará! Por essas especificidades que esse ponto

é conceitualmente simples, mas de implementação que

pode se tornar ligeiramente complexa.

Nessa figura, vemos a diferença entre o desenho de um banco de dados relacional, com suas tabelas normalizadas e de um banco de 30

2.1 ARQUITETURA DE UMA PLATAFORMA DE BUSINESS INTELLIGENCE

dados dimensional, dividido entre fatos e dimensões.

Cubos

Se o DW é uma base de dados comum, um SGDBR como o seu

transacional, já os cubos são outra coisa. Apesar de não tratarmos deles na implementação deste livro, vamos sim conceituá-los por se tratarem de um ponto que pode ser o maior incentivo para mudarmos da plataforma gratuita para a paga.

Os cubos são alternativas para os bancos de dados relacionais, ou ainda dimensionais, como chamamos o DW. São banco de dados multidimensionais que suportam análises dinâmicas e consultas extremamente complexas com baixo tempo de resposta.

Os SGBDM (Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Multidimensionais) são ferramentas que pré-processam as agregações de dados, deixando informações prontas de todos os cruzamentos possíveis, a fim de que seja dada resposta instantânea à consulta do usuário. Da mesma forma que temos diversas tecnologias de SGDBRs, temos diversos SGDBMs como o SQL

Analysis Services, IBM Cognos, SAS etc.

Os cubos são formados por um mapa de acesso, informações detalhadas e valores agregados, sendo possível criá-los em principalmente três tipos, conforme o esquema seguinte:

2.1 ARQUITETURA DE UMA PLATAFORMA DE BUSINESS INTELLIGENCE

31

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

cálculo e com quais filtros. Pode-se facilmente incluir uma dimensão arrastando-a para a tabela, bem como

mudá-la de linha para coluna com o mesmo processo

de arrastar e soltar (o chamado slice and dice).

As informações também podem ser exibidas de forma

sumarizada ou detalhada, apenas clicando-se sobre o

dado. Essa possibilidade de ir do mais sumarizado para

o mais detalhado é o chamado dril down. O caminho

inverso, do mais detalhado para o mais sumarizado, é o

dril up. O interessante dessas visões é que, com alguns

“cliques”, pode-se gerar comparações de dados

completamente novas e infinitas combinações de

visualizações!

Conforme a figura, vemos uma tabela dinâmica do

Excel sendo apresentada em conjunto com um gráfico

dinâmico. Na implementação que faremos adiante,

veremos como criar essas estruturas de forma bastante

simples.

Decision Tree e ações

Academicamente, o BI não responde por efetivamente tomar ações. Ele entrega a informação certa para que melhores ações sejam tomadas.

36

2.1 ARQUITETURA DE UMA PLATAFORMA DE BUSINESS INTELLIGENCE

Contudo, temos apresentações de dados contextualizados.

Temos os KPIs, por exemplo, que indicam se uma situação é boa ou ruim por meio de comparações entre dados realizados e metas estabelecidas. Se a plataforma é capaz de definir se algo é bom ou ruim mediante parâmetros estabelecidos, podemos criar ações baseadas nessas situações a fim de agilizar procedimentos padronizados.

Por exemplo, tem-se em SRM (Social Relationship

Management), a coleta de informações de comentários de clientes nas redes sociais acerca de sua marca. Pode-se contextualizar esses comentários como positivos, negativos, entusiastas etc. Uma vez categorizado, pode-se ter rotinas que executam a inclusão de respostas automáticas a comentários negativos afim de se diminuir o impacto deles nas redes sociais. Ou ainda, em medições geotécnicas, pode-se estabelecer que o BI envie alertas quando uma determinada medição indicar uma movimentação de terreno maior do que a prevista, e assim por diante.

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A

MONTAGEM DO AMBIENTE

Se avaliarmos o mercado, veremos soluções gratuitas de Business Intelligence de diversos fornecedores, para diversos fins.

Desde soluções nativas gratuitas, até BI como serviço, passando por versões gratuitas de ferramentas pagas.

Atualmente, o mercado é bem farto de opções, o que, para quem vai iniciar uma empreitada de escolha, pode ocasionar um grande trabalho! Trabalho bom, claro, pois ter opções é sempre melhor do que não as ter.

Mas o fato de iniciar a implantação da plataforma de Business Intelligence em sua empresa com uma solução não licenciada torna 2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

37

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

DISCLAIMER

Se sua empresa não possuir nenhum servidor, avalie também a

aquisição de soluções em cloud, tanto para Servers quanto para seu BI propriamente dito. Claro que essas opções são pagas, mas o TCO de ambientes e soluções em Cloud tem se

mostrado menores do que seus similares físicos.

No nosso exemplo, usaremos uma Máquina Virtual com

Windows Server 2012 R2. Mesmo que você use versões anteriores do SO para o SQL Server 2014, tenha certeza de ter instalado o .Net framework 3.5 SP1. Ele é pré-requisito para a instalação que faremos a seguir.

Resolvido onde instalaremos o SQL, temos agora de obtê-lo!

Para

isso,

basta

entrar

no

site

do

produto

(https://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?

id=42299) e efetuar o download, precisando de um breve cadastro para isso.

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

41

Business Intelligence

42

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

Business Intelligence

Selecione a última versão disponível, e opte por ...With Advanced Services . A opção por 32 ou 64 bits dependerá do 2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

43

Business Intelligence

Sistema Operacional do seu Servidor. Quanto à língua, recomendo usar a versão de sua língua local, a menos que sua empresa trabalhe com escritórios em outros países — quando então a língua padrão da corporação pode ser a melhor escolha.

A versão 2014 do SQL Server Express With Advanced Tools vem em um arquivo compactado de 1GB de tamanho. Clicando duas vezes no arquivo, ele iniciará a descompactação e o instalador: 44

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

Business Intelligence

Selecione a opção de Nova instalação autônoma, e depois aceite os termos da licença e clique em Avançar :

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

45

Business Intelligence

Depois o instalador abrirá a Seleção de Recursos . Selecione todos os recursos, inclusive as ferramentas administrativas. Em um ambiente de alta performance, é recomendado instalar somente os serviços, sem as ferramentas administrativas e somente os serviços estritamente necessários (no nosso caso, a replicação não seria necessária, por exemplo).

Contudo, vamos simplificar a instalação, selecionando as opções padrão. Para mais detalhes da instalação do SQL Server, procure a documentação do fabricante, em https://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/sql-server/features.aspx/Overview.aspx/?



WT.srch=1&WT.mc_ID=N1ZzdQIx.

46

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

Business Intelligence

Estando todos os pré-requisitos instalados, o SQL vai solicitar que se dê um nome à instância. Por padrão, ele sugere SQLEXRESS .

Mas como se trata de uma instância que hospedará um ambiente de BI, um nome mais significativo pode ser atribuído, como BIPRD , por exemplo (remetendo a ser o ambiente de produção do nosso BI). Se sua empresa já possuir um padrão de nomenclatura de instâncias, não haverá nenhum problema em segui-lo.

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

47

Business Intelligence

Mantenha as opções padrão para Configuração do Servidor

e clique em Avançar . Depois, o instalador apresentará a Configuração de Mecanismo de Banco de Dados . Na aba de Autenticação , garanta ter adicionado o usuário atual.

A aba de Diretório de Dados é onde podemos alterar o padrão para criação dos arquivos de dados do SQL ( .mdf , .lfd ) em discos que não o C:\ . Existe um conjunto de melhores práticas que rogam que, a grosso modo, é interessante que os arquivos de dados fiquem em uma unidade diferente da unidade de sistema, e que os arquivos de log fiquem em uma terceira unidade. Em nosso exemplo, vou efetuar a instalação padrão, com todos os arquivos em C:\ .

48

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

Business Intelligence

Clique em Avançar e deixe marcada a opção instalar e configurar do Reporting Services . Clique em Avançar novamente e o processo de instalação será iniciado! Estando tudo certo, com a instalação finalizada, deverá apresentar um checklist de todos os pontos com Êxito :

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

49

Business Intelligence

E os componentes do SQL passam a ser exibidos na lista de aplicativos instalados (nas versões anteriores, busque no Menu Iniciar ):

50

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

Business Intelligence

Business Intelligence

Inicie o SQL Server Management Studio:

Não vamos nos delongar no uso do Management Studio, mas para avaliar se a instalação ocorreu com sucesso, basta acessar a instância que criamos (o BIPRD ) e expandir os bancos de dados. Os bancos de dados do Reporting Services devem estar criados.

2.2 A TECNOLOGIA ESCOLHIDA E A MONTAGEM DO AMBIENTE

51

Business Intelligence

Abra o navegador na máquina onde foi feita a instalação e digite http://localhost/Reports_BIPRD/Pages/Folder.aspx . Se

estiver tudo em ordem, a página a seguir deve ser exibida:

Caso haja algum problema em alguma parte da instalação, procure soluções no site da Microsoft e com a comunidade pelo Technet

(http://social.technet.microsoft.com/wiki/contents/articles/23878.in stalling-sql-server-2014-step-by-step-tutorial.aspx).

2.3 CONCLUSÃO

Neste capítulo, entendemos a arquitetura do Business

Intelligence e seus componentes. Esse entendimento é fundamental para prosseguirmos na criação de cada uma das partes, o que faremos nos próximos capítulos. Configuramos todo o ambiente necessário e podemos partir para a implementação!

52

2.3 CONCLUSÃO

CAPÍTULO 3

O DESENHO DO DATA

WAREHOUSE

3.1 O CENÁRIO

Para criarmos uma plataforma de Business Intelligence com fins didáticos, vamos estabelecer um cenário, ou seja, uma situação na qual implantaremos a nossa plataforma de BI.

Uma solução nacional de Business Intel igence as a Service, a gratuita OpenBI (http://openbi.com.br), tem como premissa que só são necessários os dados de notas fiscais (NFs) emitidas para se conseguir uma gigantesca gama de informações e indicadores. Além disso, dado a obrigatoriedade das notas fiscais eletrônicas, praticamente todas as empresas são capazes de gerar arquivos contendo os dados oriundos de suas emissões.

Utilizemos essas mesmas premissas e vamos implementar uma

plataforma de BI, tendo como informações iniciais os dados de notas fiscais emitidas. O interessante dessa abordagem é que, com certeza, será possível usar esse exemplo para a implantação real do BI em seu ambiente que, posteriormente, poderá crescer para ter cada vez mais e mais origens, e poder fornecer mais e mais informações.

Entendendo a estrutura de informações

3 O DESENHO DO DATA WAREHOUSE

53

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

O download será de um ZIP com dois arquivos:

AdventureWorks2012_Data.mdf


e

AdventureWorks2012_log.ldf . Esse é o padrão de arquivos do SQL, um para dados ( .mdf ) e outro para log de transações ( .ldf ).

Copie esses arquivos para o caminho de dados do SQL. No nosso exemplo, foi o diretório padrão C:\Program

Files\Microsoft SQL Server\MSSQL12.BIPRD\MSSQL\DATA\ :

56

3.1 O CENÁRIO

Business Intelligence

Business Intelligence

Uma vez copiados, abra o Management Studio, conecte na instância PRDBI , clique com o botão direito sobre Banco de Dados e comande Anexar... (Attach Database). Na janela que se abrirá, selecione Adicionar... e, em seguida, marque o arquivo do AdventureWorks (apenas os arquivos de dados serão exibidos): 3.1 O CENÁRIO

57

Business Intelligence

Clicando em ok , o SQL procederá a inclusão dessa base ao gerenciamento da instância e ela aparecerá no seu explorador da instância:

Agora vamos executar um comando para salvar os dados como

se fossem oriundos de um sistema de faturamento (ou ERP) que nos seria disponibilizado para a importação na nossa plataforma de BI: No Management Studio, logo acima do Pesquisador de

Objetos , existe o botão Nova Consulta . Clique nele e copie o comando a seguir:

Select

cast(a.[SalesOrderID] as varchar(100))

+'|'+

convert(varchar,a.[OrderDate],102)

+'|'+

cast(b.[AccountNumber] as varchar(100))

+'|'+

58

3.1 O CENÁRIO

cast(d.FirstName + ' ' + d.LastName as varchar(100))+'|'+

cast(e.EmailAddress as varchar(100))

+'|'+

cast(c.[Name] as varchar(100))

+'|'+

cast(c.[CountryRegionCode] as varchar(100))

+'|'+

cast(c.[Group] as varchar(100))

+'|'+

Isnull(f.[LoginID], 'Sistema')

+'|'+

Isnull(g.FirstName + ' ' + g.LastName, 'Sistema') +'|'+

-- os dados a seguir são inventados para criar a nossa masssa de t estes do Chefe do Vendedor:

case

when g.FirstName + ' ' + g.LastName = 'Rachel Valdez'

then '' -- Ela

é a Chefe!

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('Amy Alberts','Garrett Vargas') then 'Rachel Valdez' -- Eles são o Segundo nivel.

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('David Campbell', 'Jae Pak', 'Jillian Carson') then 'Amy Albe rts' -- Esses são funcionarios da Amy.

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('José Saraiva', 'Linda Mitchell', 'Lynn Tsoflias', 'Michael Blythe') then 'Garrett Va rgas' -- Esses são funcionarios do Garrett.

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('Pamela Ansman-Wolfe',

'Ranjit Varkey Chudukatil') then 'Jillian C

arson' -- Esses são funcionarios da Jillian.

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('Shu Ito', 'Stephen Ji ang', 'Syed Abbas') then 'Michael B

lythe' -- Esses são funcionarios do Michael.

when g.FirstName + ' ' + g.LastName in ('Tete Mensa-Annan', 'T

svi Reiter')

then 'Stephen

Jiang' -- Esses são funcionarios do Stephen.

Else 'Sistema' -- O Sistema (venda on-line, por exemplo) te rá ele mesmo como chefe!

End

+'|'+

isnull(i.ProductNumber,'00000')

+'|'+

isnull(i.Name,'-')

+'|'+

isnull(i.[Size],'-')

+'|'+

isnull(i.[ProductLine],'-')

+'|'+

isnull(i.[Color],'-')

+'|'+

cast(a.[SubTotal] as varchar(100))

+'|'+

cast(a.[TaxAmt] as varchar(100))

+'|'+

cast(a.[Freight] as varchar(100))

+'|'+

cast(h.UnitPrice as varchar(100))

+'|'+

cast(h.OrderQty as varchar(100))

as Texto

from [Sales].[SalesOrderHeader] as a inner join [Sales].[Customer]

as b

on a.CustomerID = b.CustomerID

3.1 O CENÁRIO

59

Business Intelligence

inner join [Sales].[SalesTerritory] as c

on a.TerritoryID = c.TerritoryID

inner join [Person].[Person] as d

on b.PersonID = d.BusinessEntityID

inner join [Person].[EmailAddress]as e

on d.BusinessEntityID = e.BusinessEntityID

left join [HumanResources].[Employee] as f

on a.SalesPersonID = f.BusinessEntityID

left join [Person].[Person] as g

on f.BusinessEntityID = g.BusinessEntityID

inner join [Sales].[SalesOrderDetail] as h

on a.SalesOrderID = h.SalesOrderID

inner join [Production].[Product] as i

on h.ProductID = i.ProductID

where year([OrderDate]) = 2005

Para a extração dos dados em arquivo, clique em Resultados

em Arquivo , destacado em vermelho na imagem seguinte, e comande Executar (a exclamação em vermelho, logo ao lado esquerdo do botão que acabamos de clicar):

Você será perguntado quanto a um endereço de destino para esse arquivo. Clique em C:\ na janela e, com o botão direito, crie uma nova pasta chamada Arquivos :

60

3.1 O CENÁRIO

Business Intelligence

Business Intelligence

Dê o nome de MassaDados2005 ao arquivo e clique em Abrir . O SQL executará a consulta, criando um arquivo de resultados com pouco mais de 1 MB de dados (afinal, são 5.151

linhas geradas nessa nossa massa de testes) que deve estar com o seguinte layout:

Para visualizar o arquivo .rpt , talvez você tenha de selecionar o programa padrão. O bloco de notas serve tranquilamente. Eu prefiro o Notepad++, um editor de texto gratuito e com diversos recursos! Lembrando: para nosso processo, a visualização do arquivo não é necessária, mas é sempre bom ter em mãos uma ferramenta para entendermos as fontes de dados se algum problema aparecer.

Até agora temos trabalhado para preparar o nosso ambiente transacional para enviar dados para a Plataforma de BI que, por 3.1 O CENÁRIO

61

enquanto, nem começamos a criar.

Mas tendo finalizado essa frente e entendido como está estruturada a nossa origem de dados, vamos desenhar o DW que irá conter as informações das Notas Fiscais e, assim, possibilitar que iniciemos a nossa plataforma!

Um detalhe é que limitamos nossa massa de dados a um único

ano, dos 04 anos disponíveis nessa massa. Isso porque vamos criar todo nosso ambiente usando essa porção dos dados e, depois, iremos criar o arquivo ano a ano, simulando cargas diárias a fim de validarmos se os processos incrementais estarão funcionando corretamente.

3.2 O DATA WAREHOUSE

Para implantar o Data Warehouse, existem algumas regras de design e algumas boas práticas. Entre as regras, encontram-se os postulados de Imnon, que vimos anteriormente, e também o chamado esquema. Já vimos que o DW será baseado em um desenho dimensional (fatos e dimensões), mas esse desenho pode ter dois esquemas: Esquema Estrela ou esquema Floco de Neve.

No esquema Estrela (Star Schema), as tabelas Dimensão são diretamente relacionadas com a tabela Fato . Não existe normalização das informações e as consultas são respondidas da maneira mais rápida possível:

62

3.2 O DATA WAREHOUSE

Business Intelligence

Business Intelligence

Já no esquema Floco de Neve (Snow Flake Schema), as dimensões podem possuir algum nível de normalização, gerando relacionamentos entre as tabelas das dimensões:

3.2 O DATA WAREHOUSE

63

A escolha por um esquema ou por outro estará relacionada ao trabalho (e, consequentemente, custo) de implantação. O modelo mais performático e que devemos buscar sempre é o Estrela. Mas às vezes a informação é conhecidamente estruturada de forma que a desnormalização causará um grande trabalho e, efetivamente, trará um ganho de performance bastante baixo. Um exemplo é a Geografia. A relação de País, Estado e Cidade é sempre bastante conhecida e pouquíssimo mutável.

Outro ponto nessa escolha é o limite de colunas para a chave primária. No caso do SQL (https://msdn.microsoft.com/en-us/library/ms143432(v=sql.120).aspx), temos um total de 16 colunas para usarmos na chave da Fato. Assim, se tivermos muitas dimensões ligadas a Fato, usar o esquema Floco de Neve

“economizará” colunas para a chave primária.

Exemplificando, no caso de País, Estado e Cidade, se tivermos um esquema Estrela, cada uma das tabelas estaria ligada a Fato, consumindo três colunas da chave primaria. Se a tabela de País estiver ligada à de Estado, essa à de Cidade e somente essa última à Fato, teremos apenas uma coluna usada na chave para mantermos a mesma informação.

Quanto às boas práticas, elas podem variar de profissional para profissional, de escola para escola e, eventualmente, podem levantar discussões calorosas. Não é meu objetivo postular certo e errado, então apenas mencionarei o que tenho feito ao longo dos anos e que, na minha experiência profissional, tem se mostrado bastante adequado.

Uma boa prática é a de diferenciar as tabelas do seu DW pela especialização dela. Ou seja, se é uma tabela de Dimensão , vamos nomeá-la como D_NomeDaTabela . Se ela for uma Fato , que seja F_NomeDaTabela .

64

3.2 O DATA WAREHOUSE

Um outro ponto é fugir da chamada “notação Húngara”, apelido dado à notação de Charles Simonyi para as variáveis de sistema criadas a partir de abreviações. Nela, você lê o nome do objeto e não faz a menor ideia do que ele faz ou para que ele serve! Então dê nomes significativos às tabelas e às colunas. Evite dar nomes abreviados, formados por siglas e afins.

É normal encontrar regras mirabolantes de nomenclaturas nas

empresas. Mas na prática, cria-se um padrão que não serve efetivamente para nada, e que mais atrapalham do que ajudam.

Então, vamos criar nomes simples e significativos.

A origem do dado, muitas vezes, deve ser informada mesmo que somente para uso no processo de desenvolvimento ou de auditoria, sem ser exibido para o usuário final. O processo de se rastrear de onde veio e quando um dado foi carregado no DW possui o nome de “data lineage” (que também é uma metodologia com seus gráficos e conceitos sobre acompanhamento de dados através de um processo).

Na prática do BI, consiste em manter uma coluna de data da carga e de origem em cada uma das tabelas do DW. Assim, ao visitar um registro, sabe-se quando ele entrou e de onde ele veio.

Evite criar seu DW antes de tê-lo desenhado primeiramente em alguma ferramenta. A visão do todo que um desenho lhe proporciona com certeza reduz a chance de erros. Eu costumo usar o Enterprise Architect, mas outras soluções existem, como a Model Right e a DeZign.

Feitas as considerações, vamos à implantação.

Dimensões

Entre as boas práticas que mencionei, está também a de iniciar o 3.2 O DATA WAREHOUSE

65

desenho do DW (ou da expansão dele) sempre pelas novas dimensões. Existe um motivo prático para isso: como as dimensões são as tabelas da Chave Primária, elas precisam existir antes de criarmos as Fatos que hospedarão as Chaves Estrangeiras. Se essa frase soou como grego, basta entender que para um registro existir dentro de uma tabela Fato, ele precisa antes (e obrigatoriamente antes) ter sido carregado na tabela Dimensão. Assim sendo, começar pelo desenho da Dimensão, que não precisa de uma outra entidade para existir, é sempre mais simples.

Tempo (ou Data)

Como postulado por Inmon, o DW é sempre variável com o tempo, ou seja, a dimensão DATA deve invariavelmente existir. Se é essa a regra, então nada mais lógico do que começar nosso DW por ela. E ela será composta por uma Chave Primária que pode ser a própria Data e colunas de especialização, como Dia, Mês e Ano separados, Dia da Semana, Ano Fiscal, Trimestre etc.

Pode-se ter as informações de especialização que forem necessárias. Essas informações poderiam muito bem ser calculadas em tempo de exibição, mas procura-se armazená-las justamente para que o processo de seleção dos dados e respectiva apresentação sejam mais rápidos. Além disso, quando formos acoplar uma solução de banco de dados multidimensional (os cubos), a existência das informações na Dimensão facilitará bastante a criação dos objetos.

Dessa forma, criei a tabela chamada D_Data com a seguinte estrutura:

66

3.2 O DATA WAREHOUSE

Business Intelligence

Por prática, não costumo inserir o “data lineage” na dimensão temporal. Mostrou-se pouco útil. Mas, fique à vontade caso queira ser mais puritano do que eu!

Cliente

Uma dimensão que encontramos na maioria dos DW é a

Cliente. Se vamos vender algo, provavelmente vamos vender para alguém! E, como na Tempo, a ideia é criar uma chave que vai identificar esse cliente nas Fatos e ir acrescentando demais informações.

Essa chave é geralmente um “indicador artificial”, ou seja, um código que vamos estabelecer arbitrariamente para cada registro a fim de, principalmente, garantir que as buscas por ele sejam as mais rápidas possíveis. A essa chave artificial damos um nome: Surrogate Key. Todas as dimensões devem ter essa surrogate.

A exceção é, como vimos, a Tempo, que pode ela mesma ser usada como sua própria chave. Entretanto, se encontrar um DW

com surrogate na dimensão Tempo, não ache que está errado, pelo contrário. Essa é uma das boas práticas que variam bastante!

Então, além da surrogate, teremos para a Dimensão Cliente e as 3.2 O DATA WAREHOUSE

67

Business Intelligence

especializações como o nome ou razão social, CPF ou CNPJ, endereço etc. Dessa forma, criei a tabela chamada D_Cliente com a seguinte estrutura:

Lembrando de que a coluna Id_Cliente será preenchida em

nosso processo de carga, dado que é uma chave artificial. Uma boa prática nesse sentido é padronizar as surrogate como Id e as colunas chave oriundas dos sistemas Transacionais sempre chamadas de Cod . Dessa forma, fica simples identificar a origem da informação. Também inseri duas colunas para nosso data lineage , a LinData e a LinOrig . Ambas serão preenchidas também no processo do ETL.

Produto

Se vendemos para alguém, vendemos algo. A dimensão de Produto vai possuir a surrogate e as especializações do produto, como SKU, Nome, Grupo, Subgrupo, e demais propriedades como

cor, peso, tamanho etc.

Essa dimensão varia muito de caso para caso, e as informações contidas nela dependem totalmente de como a sua empresa gerencia seus produtos. Mas uma questão interessante é que essa dimensão, 68

3.2 O DATA WAREHOUSE

Business Intelligence

Business Intelligence

Note que temos a surrogate, as qualificações oriundas do sistema origem e um flag para determinar se o registro está ou não ativo (para atender à 2SCD). Há quem questionará onde estão as datas de início e fim de vigência do registro. Na verdade, eu, também por experiência do dia a dia mais do que por seguir um conceito acadêmico, resolvo essas datas na ligação com a Fato.

Enquanto o registro estiver ativo, haverá lançamentos na Fato para ele. Quando ele não estiver mais ativo, as datas dos novos registros estarão vinculadas ao produto ativo. E se não houver venda? Não havendo um Fato, a informação na Dimensão é muito pouco útil! Dessa forma, simplificamos a estrutura e o processo de carga sem comprometer a informação exibida. Os dados de lineage constam como as duas últimas colunas.

Geografia

Geralmente, uma das informações relativas aos Clientes é de onde eles são, e isso é bastante importante. Saber onde nossos produtos fazem sucesso e onde eles precisam ser mais incentivados pode ser de grande valia. Dessa forma, a Dimensão de Geografia pode ser formada por País, Estado, Cidade e o que mais de informação estiver disponível, como Bairro, Logradouro, CEP, Região (Norte, Sudeste, Sul etc.).

Não é incomum as empresas terem divisão territorial do processo de vendas. Se for o caso, pode-se colocar na Dimensão Geografia a Região de Venda, que podem ser definidas por range de CEP, por coordenadas cardinais etc.

Dessa forma, criei as tabelas chamadas D_GrupoGeografico , D_Pais e D_RegiaoVendas com as seguintes estruturas:

3.2 O DATA WAREHOUSE

71

Business Intelligence

A estrutura segue a primeira Forma Normal no esquema Floco

de Neve, no qual colocamos a Primary Key da tabela pai como Foreign Key na tabela filho, evitando assim os chamados grupos de repetição. Dessa forma, ligaremos apenas a tabela mais granular (ou seja, a D_RegiaoVendas com a Fato ), e poderemos ter todos os dados das tabelas pai.

E, claro, temos as colunas de data lineage em todas as três tabelas.

Vendedor

Nem sempre esse dado está disponível em arquivos de notas fiscais, mas vou inserir em nosso exemplo para essa dimensão cobrir um exemplo bastante importante: a Parent-Child Dimension, ou dimensão de Pais e Filhos. Esta permite criar uma hierarquia dinamicamente, com infinitos níveis e diferentes estruturas. E a 72

3.2 O DATA WAREHOUSE

flexibilidade toda está simplesmente na forma como ela é construída!

Vamos imaginar que nossa empresa tenha uma estrutura de Vendedor definida por um Diretor que possui alguns Gerentes.

Estes podem ou não ter Coordenadores, dependendo do tamanho

do time. Se não houver Coordenador, os Vendedores estarão logo abaixo do Gerente. Se houver Coordenador, ele estará abaixo do Gerente e os Vendedores abaixo do Coordenador. Implementar essa estrutura de forma flexível basicamente se resolve com uma coluna na tabela de Dimensão!

Na dimensão Vendedor , teremos a coluna chave, a surrogate, e as colunas de especializações: Nome, CPF, matrícula, e-mail etc.

Além delas, vamos incluir uma coluna para Chefe . Nela, vamos inserir o valor que está na surrogate da pessoa que será o chefe desse Vendedor. Pronto! Assim, dinamicamente, podemos ter sempre como montar a árvore de hierarquia.

Vale lembrar de que esse conceito serve para qualquer situação em que se tenha a relação de um registro “pai” e que se pode ter n registros “filhos”. Desse jeito, monta-se a estrutura dinamicamente de relações entre esses registros, como uma árvore de diretórios no seu Windows Explorer, por exemplo!

Dessa forma, criei a tabela chamada D_Funcionario com as seguintes estruturas:

3.2 O DATA WAREHOUSE

73

Business Intelligence

Vale mencionar que não batizamos essa dimensão de

“Vendedor”, porque, via de regra, essas pessoas são funcionárias da empresa. Quando nosso DW for crescendo, eventualmente dados de Recursos Humanos serão importados e todos os funcionários estarão carregados. No caso de termos uma dimensão “Vendedor”, teríamos esses registros duplicados com a dimensão “Funcionário”, ou teríamos de alterar o nome da Dimensão, o que geraria um belo impacto em retrabalho com o que já estivesse em produção!

A coluna Id_Chefe será o que garantirá da relação de Parent-Child. Note que, para tanto, a tabela é autorreferenciada, ou seja, a Primary Key está ligada a uma Foreign Key e ambas estão na mesma tabela.

No nosso cenário, cobrimos a dimensão Tempo, uma Dimensão

Simples (a Cliente), uma SCD (a Produto), uma implantação em esquema Snow Flake (a Geografia) e uma Parent-Child (a Vendedor). Com isso, cobrimos os principais tipos de dimensões, e vamos parar por aqui para não nos delongarmos muito!

Existem dimensões calculadas, dimensões que se comportam como 2SCD e Parent-Child ao mesmo tempo etc. Mas com os casos que cobrimos já temos base para resolver a esmagadora maioria do 74

3.2 O DATA WAREHOUSE

Business Intelligence

que se encontra em uma implantação inicial de BI.

Em sua implantação, aproveite para carregar e disponibilizar todas as informações disponíveis mesmo que elas não tenham sido solicitadas. Se sua origem de dados tiver, por exemplo, a informação de Loja ou Canal de Venda, crie as respectivas Dimensões! Sempre que a informação existir, avalie seriamente a possibilidade de incluí-

la no seu DW.

Fatos

Uma vez que tenhamos desenhado todas as dimensões

conhecidas (e com certeza novas dimensões aparecerão com a vida do DW), é hora de desenhar a tabela Fato. No nosso caso, temos dois níveis distintos de granularidade: o cabeçalho e o detalhe.

Recordando da nossa matriz de Fatos e Dimensões, a MFD, veremos que temos cruzamentos que percorrem todas as

possibilidades e cruzamentos específicos. Note que, no cruzamento das “Measures” com a Data, poderemos ver todas as medidas por todas as informações temporais:

Isso significa que, por termos a Data da Venda, saberemos os valores de Impostos, por exemplo, num determinado mês.

Saberemos também quanto vendemos de um determinado produto

em um ano específico, e assim por diante.

As dimensões de cliente, funcionários e de região de vendas 3.2 O DATA WAREHOUSE

75

Business Intelligence

Business Intelligence

seguem o mesmo padrão. O detalhe para essa última é que, na MFD, colocamos o nome da dimensão sempre com o termo mais granular, ou seja, Região Venda! E para cada nível, o nome significativo (aquele que o usuário poderá ver e será compreensível para ele): Mas ao verificarmos o cruzamento da dimensão Produto com as

nossas “Measures”, entendemos que nem sempre os cruzamentos valerão para todos:

Note que não teremos os dados referentes ao cabeçalho da Nota para a dimensão Produto, o que faz todo sentido, dado que o produto é mais granular do que os dados do cabeçalho!

Explicando: se uma Nota tem diversos produtos e apenas um valor de frete, qual seria o valor de frete por produto? Não é possível saber! O valor do Frete não está disponível para a dimensão Produto!

Vale mencionar que existiria, sim, uma forma de calcular esse 76

3.2 O DATA WAREHOUSE

frete por produto. Poderíamos fazer o que se chama de “rateio”, ou seja, cada produto recebe o valor da média ponderada do valor do frete. Se seu usuário assim quiser, muito bem! Calcule para ele, e torne os totais “mais granulares” a ponto de serem exibidos para os detalhes. Mas por ora é interessante entender que nem sempre todas as “Measures” estarão obrigatoriamente disponíveis para todas as Dimensões.

Fato Vendas

A nossa Fato será sobre Vendas! Teremos os dados de quantas

vendas fizemos, qual o valor, impostos e taxas totais de cada uma, o que foi vendido e quanto de cada produto!

Um ponto interessante é entender o modelo de dados que usaremos para a Fato de Vendas. Na verdade, para esse caso, teremos mais de uma tabela física respondendo por essa “Fato Lógica”.

Isso quer dizer que: quando houver um evento (um Fato que no nosso caso é a venda) em que há diferentes granularidades (nesse caso, um cabeçalho e um detalhamento), poderemos ter mais de uma tabela física para responder a essa situação. Dessa forma, criei as tabelas chamadas F_Venda e F_VendaDetalhe com as seguintes estruturas:

3.2 O DATA WAREHOUSE

77

Business Intelligence

Note que as tabelas de Fato possuem uma Primary Key composta com todas as demais chaves das Dimensões que se relacionam com ela. Ela mesma não possui nenhuma surrogate própria.

Outro ponto é que a Fato também possui as informações de data lineage e o número da nota fiscal ( Nr_NF ). Existe uma prática de colocar dados descritivos nas Fatos quando eles estão na mesma granularidade dela. Contudo, precisamos usar esse recurso com parcimônia!

No nosso modelo, colocamos um dado descritivo “pequeno”

(com poucos caracteres). Se tivéssemos textos descritivos, como o campo de Observação da NF, por exemplo, ou diversos campos descritivos, o recomendado seria criar uma dimensão para a nota fiscal e atribuir a ela a responsabilidade de conter os textos todos.

78

3.2 O DATA WAREHOUSE

Em ambientes de DW gigantescos, a inclusão de campos grandes nas Fatos faz com que haja maior fragmentação e consequente perda de performance. Se nos lembrarmos de que o DW é essencialmente desenhado para manter a performance das consultas, evitar práticas que afetem essa performance é, no mínimo, coerente.

Outro ponto a notar é que o sumarizador na nota fiscal não consta na F_Venda . Teremos esse dado calculado pela somatória da F_VendaDetalhe . Com esse conjunto de entidades desenhadas, temos o nosso DW conceituado! É hora de implantá-lo no SQL e torná-lo algo real.

Para iniciarmos, vamos criar a Base de Dados que será nosso DW. Eu geralmente uso o nome da empresa e a notação DW ao final. Para nosso exemplo, vamos usar apenas DW .

No Management Studio, clique com o botão direito do mouse

sobre Banco de Dados e selecione Novo Banco de Dados :

3.2 O DATA WAREHOUSE

79

Business Intelligence

Vamos manter todas as opções padrão para simplificar! Clique em OK e a base de dados chamada DW aparecerá na árvore de objetos. Uma vez com sua Base de Dados criada, vamos à criação das Dimensões e das Fatos. Para tanto, basta executar o seguinte comando:

USE [DW]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Cliente](



[Id_Cliente] [int] identity(1,1) NOT NULL,

[Cod_Cliente] [varchar](10) NOT NULL,

[Nome] [varchar](50) NOT NULL,

[Email] [varchar](50) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_Cliente] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Id_Cliente] ASC

80

3.2 O DATA WAREHOUSE

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Data](

[Data] [date] NOT NULL,

[Dia] [char](2) NOT NULL,

[Mes] [char](2) NOT NULL,

[Ano] [char](4) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_Data] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Data] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Funcionario](

[Id_Funcionario] [int] identity(1,1) NOT NULL,

[Nome] [varchar](50) NOT NULL,

[Login] [varchar](50) NOT NULL,

[Id_Chefe] [int] NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_Funcionario] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Id_Funcionario] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_GrupoGeografico](

[Id_GrupoGeo] [int] identity(1,1)NOT NULL,

[Nome] [varchar](50) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_GrupoGeografico] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Id_GrupoGeo] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

3.2 O DATA WAREHOUSE

81

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Pais](

[Id_Pais] [int] identity(1,1) NOT NULL,

[Id_GrupoGeo] [int] NOT NULL,

[Sigla] [char](2) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_Pais] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Id_Pais] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Produto](

[Id_Produto] [int] identity(1,1) NOT NULL,

[Cod_Produto] [varchar](20) NOT NULL,

[Nome] [varchar](50) NOT NULL,

[Tamanho] [varchar](5) NOT NULL,

[Cor] [varchar](20) NOT NULL,

[Ativo] [char](1) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_Produto] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Id_Produto] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_RegiaoVendas](

[Id_RegiaoVendas] [int] identity(1,1) NOT NULL,

[Id_Pais] [int] NOT NULL,

[Nome] [varchar](20) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_D_RegiaoVendas] PRIMARY KEY CLUSTERED

82

3.2 O DATA WAREHOUSE

(

[Id_RegiaoVendas] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[F_Venda](

[Data] [date] NOT NULL,

[Nr_NF][varchar] (10) NOT NULL,

[Id_Cliente] [int] NOT NULL,

[Id_Funcionario] [int] NOT NULL,

[Id_RegiaoVendas] [int] NOT NULL,

[Vlr_Imposto] [decimal](18, 2) NOT NULL,

[Vlr_Frete] [decimal](18, 2) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_F_Venda] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Data] ASC,

[Nr_NF] ASC,

[Id_Cliente] ASC,

[Id_Funcionario] ASC,

[Id_RegiaoVendas] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE TABLE [dbo].[F_VendaDetalhe](

[Data] [date] NOT NULL,

[Nr_NF][varchar] (10) NOT NULL,

[Id_Cliente] [int] NOT NULL,

[Id_Funcionario] [int] NOT NULL,

[Id_RegiaoVendas] [int] NOT NULL,

[Id_Produto] [int] NOT NULL,

[Vlr_Unitario] [decimal](18, 2) NOT NULL,

[Qtd_Vendida] [int] NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_F_VendaDetalhe] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Data] ASC,

[Nr_NF] ASC,

3.2 O DATA WAREHOUSE

83

[Id_Cliente] ASC,

[Id_Funcionario] ASC,

[Id_RegiaoVendas] ASC,

[Id_Produto] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, IGNORE_DUP_K

EY = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY

]

) ON [PRIMARY]

GO

CREATE NONCLUSTERED INDEX [IX_D_Pais] ON [dbo].[D_Pais]

(

[Id_GrupoGeo] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, SORT_IN_TEMP

DB = OFF, DROP_EXISTING = OFF, ONLINE = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY]

GO

CREATE NONCLUSTERED INDEX [IX_D_RegiaoVendas] ON [dbo].[D_RegiaoVe ndas]

(

[Id_Pais] ASC

)WITH (PAD_INDEX = OFF, STATISTICS_NORECOMPUTE = OFF, SORT_IN_TEMP

DB = OFF, DROP_EXISTING = OFF, ONLINE = OFF, ALLOW_ROW_LOCKS = ON, ALLOW_PAGE_LOCKS = ON) ON [PRIMARY]

GO

ALTER TABLE [dbo].[D_Pais] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK_D_Pais_

D_GrupoGeografico] FOREIGN KEY([Id_GrupoGeo])

REFERENCES [dbo].[D_GrupoGeografico] ([Id_GrupoGeo])

GO

ALTER TABLE [dbo].[D_Pais] CHECK CONSTRAINT [FK_D_Pais_D_GrupoGeog rafico]

GO

ALTER TABLE [dbo].[D_RegiaoVendas] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK

_D_RegiaoVendas_D_Pais] FOREIGN KEY([Id_Pais])

REFERENCES [dbo].[D_Pais] ([Id_Pais])

GO

84

3.2 O DATA WAREHOUSE

ALTER TABLE [dbo].[D_RegiaoVendas] CHECK CONSTRAINT [FK_D_RegiaoVe ndas_D_Pais]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK_F_Vend a_D_Cliente] FOREIGN KEY([Id_Cliente])

REFERENCES [dbo].[D_Cliente] ([Id_Cliente])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] CHECK CONSTRAINT [FK_F_Venda_D_Cliente

]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK_F_Vend a_D_Data] FOREIGN KEY([Data])

REFERENCES [dbo].[D_Data] ([Data])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] CHECK CONSTRAINT [FK_F_Venda_D_Data]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK_F_Vend a_D_Funcionario] FOREIGN KEY([Id_Funcionario])

REFERENCES [dbo].[D_Funcionario] ([Id_Funcionario])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] CHECK CONSTRAINT [FK_F_Venda_D_Funcion ario]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK_F_Vend a_D_RegiaoVendas] FOREIGN KEY([Id_RegiaoVendas])

REFERENCES [dbo].[D_RegiaoVendas] ([Id_RegiaoVendas])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_Venda] CHECK CONSTRAINT [FK_F_Venda_D_RegiaoV

endas]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_VendaDetalhe] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK

3.2 O DATA WAREHOUSE

85

Business Intelligence

_F_VendaDetalhe_D_Produto] FOREIGN KEY([Id_Produto])

REFERENCES [dbo].[D_Produto] ([Id_Produto])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_VendaDetalhe] CHECK CONSTRAINT [FK_F_VendaDet alhe_D_Produto]

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_VendaDetalhe] WITH CHECK ADD CONSTRAINT [FK

_F_VendaDetalhe_F_Venda] FOREIGN KEY([Data], [Nr_NF],[Id_Cliente],

[Id_Funcionario], [Id_RegiaoVendas])

REFERENCES [dbo].[F_Venda] ([Data], [Nr_NF],[Id_Cliente], [Id_Func ionario], [Id_RegiaoVendas])

GO

ALTER TABLE [dbo].[F_VendaDetalhe] CHECK CONSTRAINT [FK_F_VendaDet alhe_F_Venda]

GO

Executado o comando, ao expandir as tabelas do seu DW, todas as tabelas estarão criadas em um esquema conforme:

86

3.2 O DATA WAREHOUSE

Business Intelligence

CAPÍTULO 4

O PROCESSO DE ETL

4.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Já temos o nosso Data Warehouse montado e conhecemos a origem das informações (seja porque seguimos o passo a passo deste livro, ou porque pegamos dados reais do ambiente da nossa empresa). Nesse ponto, temos todas as informações necessárias para criarmos o processo que vai ler das origens, transformar e carregar os dados no nosso DW.

Se tivéssemos uma ferramenta de ETL, como o SSIS, por exemplo, nosso processo seria um pouco mais simples e talvez mais performático! Como nossa proposição é fazer todo o processo sem nenhuma ferramenta paga, vamos usar o que temos em mãos: Transact-SQL e Agendamentos do Windows!

Mas uma carga feita inteiramente em código tem uma enorme

vantagem: vamos poder conceituar cada um dos passos, e assim teremos subsídios para implantar esses mesmos passos em outras ferramentas quando nosso budget nos permitir adquiri-las.

Como vamos fazer todos os processos com o T-SQL (ou Transact SQL, a linguagem de programação do SQL Server, tal qual o PL/SQL é a do Oracle), alguns conceitos dessa linguagem serão necessários. Passaremos pelos tópicos mais específicos dos processos que utilizaremos, mas se você ainda não tem familiaridade nenhuma com ela, recomendo dar uma pausa para 88

4 O PROCESSO DE ETL

estudar um pouco antes de prosseguir.

Nosso maior uso será da instrução SELECT do T-SQL. Se quiser um tutorial inicial sobre o tema, o MSDN tem um conjunto de lições que usa justamente a base de dados AdventureWorks que nós temos em nosso servidor.

Então,

clique

em

https://msdn.microsoft.com/en-

us/library/cc546519.aspx, execute os comandos, e entenda os conceitos! Recomendo as duas primeiras lições (em inglês).

Havendo o interesse em se aprofundar (e eu sempre recomendo

que esse aprofundamento ocorra!), recomendo o livro Microsoft SQL Server 2012 T-SQL Fundamentals (Developer Reference) e o Microsoft SQL Server 2012 T-SQL Fundamentals (Developer Reference), ambos da editora Microsoft Press.

O SQL Server é um produto imenso, com centenas de assuntos

para se aprofundar, desde instalação e administração, até as ferramentas de Business Intelligence, como o SSAS, SSRS e SSIS, passando por replicação, alta disponibilidade etc. Porém, tudo começa com um bom entendimento de como usar a sintaxe de comando dele. Por isso, seja qual seu caminho de interesse com esse produto, conhecer bem T-SQL lhe será sempre muito útil.

4.2 DATA STAGE

Um dos postulados do Data Warehouse é que ele não é volátil, ou seja, se um registro entrou nele, não pode ser alterado. Mas no processo de carga, teremos de avaliar se o dado está correto ou não, precisaremos eventualmente alterar a formatação dele, verificar se ele deve mesmo ser carregado ou se ele é uma duplicidade etc.

Se vamos proceder com todos esses trabalhos e se o DW não deve sofrer alterações, teremos de arrumar um outro lugar para 4.2 DATA STAGE

89

Business Intelligence

fazer tudo isso. Esse lugar é, na verdade, uma base de dados que se usa para trabalhar com os dados e que é populada no processo de carga e depois devidamente limpa para o próximo ciclo.

Essa base recebe o nome de Data Stage e, além de conter as tabelas temporárias, vai conter também todos os códigos que faremos para o processo de ETL, as Stored Procedures (procedimentos armazenados). Para criarmos nossa Data Stage, vamos abrir o Management Studio. Clique em Banco de Dados

com o botão direito e selecione Novo Banco de Dados... :

Dê o nome de DS e clique em OK. Novamente vamos usar todas as opções padrão para facilitar a criação.

Uma vez que temos a base DS, precisaremos habilitar uma função do SQL que, por padrão, vem desabilitada. No Management Studio, rode o comando a seguir:

90

4.2 DATA STAGE

exec sp_configure "show advanced options", 1

go

reconfigure

go

EXEC sp_configure 'xp_cmdshell', 1

go

reconfigure

go

Esse comando vai ativar a xp_cmdshell , que será necessária para passarmos comandos para o Windows diretamente pelo SQL

Server!

Além disso, vamos criar também uma tabela que receberá toda a informação dos passos do nosso ETL. Ela será consultada para sabermos se tudo rodou bem, ou se tivemos algum problema em algum passo. Vamos batizá-la de Adm_Log (dado que ela tem uma função administrativa do processo, que é guardar os logs dos processos de carga). Para isso, basta rodar o comando:

USE [DS]

GO

CREATE TABLE [dbo].[Adm_Log](

[Id_Log] [uniqueidentifier] primary key NOT NULL,

[Data] [datetime] NOT NULL,

[Passo] [varchar](50) NOT NULL,

[SucessoFalha] [char](1) NOT NULL,

[mensagem] [varchar](255) NOT NULL

)

Uma vez criado nosso DS e nossa tabela de Log, e habilitado o recurso que precisaremos, vamos criar uma estrutura no nosso diretório para receber os arquivos de importação de dados e para guardá-los assim que forem importados. No nosso drive C:\ já havíamos criado a pasta Arquivos onde colocamos o arquivo chamado MassaDados2005.rpt . Basta criar uma pasta dentro de Arquivos com o nome de Historico :

4.2 DATA STAGE

91

Business Intelligence

Feito isso, nosso ambiente está pronto! Podemos começar!

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

A primeira coisa a se fazer é importar o arquivo

MassaDados.rpt para o SQL. Uma vez que tenhamos todo ele dentro da estrutura de tabelas do banco de dados, poderemos trabalhar com seus registros de forma mais simples. Como tivemos o cuidado de gerar esse arquivo com separação de colunas por | , o que faremos será a criação de uma tabela temporária que receberá todas as colunas, uma a uma, do arquivo de origem.

Quando outras fontes de dados aparecerem, pode-se replicar esse processo de importação de arquivos para cada uma, tendo um processo para cada arquivo de origem de dados.

Para importar o arquivo texto, precisaremos então de uma tabela que possa comportar as linhas com suas respectivas colunas.

Vamos batizar essa tabela de TbImp_Vendas , dado que é uma

Tabela de Importação dos dados de Vendas”. Para criá-la, basta executar o código:

USE [DS]

GO

92

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

CREATE TABLE [dbo].[TbImp_Vendas](

[NrNf] [varchar](50) NULL,

[DataVenda] [varchar](50) NULL,

[CodCliente] [varchar](50) NULL,

[NomeCliente] [varchar](50) NULL,

[EmailCliente] [varchar](50) NULL,

[RegiaoVendas] [varchar](50) NULL,

[Pais] [varchar](50) NULL,

[GrupoGeografico] [varchar](50) NULL,

[VendedorLogin] [varchar](50) NULL,

[VendedorNome] [varchar](50) NULL,

[VendedorChefeNome] [varchar](50) NULL,

[Cod_Produto] [varchar](20) NULL,

[Produto] [varchar](50) NULL,

[Tamanho] [varchar](50) NULL,

[Linha] [varchar](50) NULL,

[Cor] [varchar](50) NULL,

[SubTotal] [varchar](50) NULL,

[ImpTotal] [varchar](50) NULL,

[Frete] [varchar](50) NULL,

[PrecoUnitario] [varchar](50) NULL,

[Qtd] [varchar](50) NULL

) ON [PRIMARY]

Feita a criação da tabela, vamos criar um procedimento armazenado que fará os seguintes passos:

1. Apagar os dados da TbImp_Vendas caso existam de uma carga anterior;

2. Renomear os arquivos existentes para um nome esperado;

3. Importar os dados do arquivo para o SQL;

4. Fazer o log do processo;

5. Copiar o arquivo para a pasta Historico , renomeando-o com a data da importação.

Esse procedimento será batizado de Importa_Vendas e é criado com o comando a seguir:

USE [DS]

GO

Create procedure [dbo].[Importa_Vendas]

as

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

93

Declare @STR as nvarchar(1000)

-- Apaga os dados da TbImp_Vendas caso existam para uma nova carga; truncate table TbImp_Vendas

-- Renomeia arquivos existentes para um nome esperado:

set @STR = 'Move c:\Arquivos\*.rpt c:\Arquivos\MassaDados.rpt'

exec xp_cmdshell @STR

--Importa os dados do arquivo para o SQL:

bulk insert [dbo].[TbImp_Vendas]

from 'C:\Arquivos\MassaDados.rpt'

with (

FIRSTROW = 3,

FIELDTERMINATOR = '|',

ROWTERMINATOR = '\n'

)

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta MassaDados.rpt','S', 'Arquivo importado com sucesso')

-- Copia o arquivo para a pasta “Historico”, renomeando ele com a data da importação:

declare @nomearquivo varchar(50)

Set @nomearquivo = (Select cast(year(getdate())as char(4))

+ right('00'+ cast(month(getdate())as varchar(2)),2)+ right('00'+

cast(day(getdate())as varchar(2)),2) +'_Vendas.rpt')

Set @STR = 'move c:\Arquivos\MassaDados.rpt c:\Arquivos\Hi

storico\' + @nomearquivo

exec xp_cmdshell @STR

O resultado esperado é Comando(s) concluído(s) com

êxito .

94

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

Alguns comentários sobre esse comando: inserimos os dados pelo Bulk Insert , o processo mais performático. Para tanto, iniciamos a carga na terceira linha, eliminando os nomes das colunas ( firstrow = 3 ), e usamos o delineador de linha Enter ( ROWTERMINATOR = '\n' ) e o delineador de campo

( FIELDTERMINATOR = '|' ).

Note que a execução foi imediata e nada foi carregado. Nós apenas criamos a rotina que vai fazer esse trabalho, mas ainda não a executamos. Para tanto, basta comandar em uma nova janela do Management Studio:

USE [DS]

GO

exec Importa_Vendas

Ao final da execução, devemos ter:

1. As tabelas TbImp_Vendas e Adm_Log criadas, bem como uma Stored Procedure chamada Importa_vendas :

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

95

Business Intelligence

Business Intelligence

2. Os dados na tabela TbImp_Vendas devem ter sido carregados. Usando nosso exemplo, teremos 5.149 linhas:

96

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

Business Intelligence

3. O arquivo MassaDados2005.rpt deve ter desaparecido da pasta Arquivos , e um arquivo com a data atual e a terminação _Vendas.rpt deve ter surgido na pasta

Historico :

Dessa forma, poderemos comandar esse procedimento para ocorrer toda vez que um novo arquivo for gerado com os dados de um novo dia. Com esse agendamento, a plataforma de BI vai sendo carregada constantemente, mas falaremos disso adiante, ainda neste capítulo!

OBSERVAÇÃO Ao executar o procedimento Importa_Vendas , o seu retorno pode ser o erro:

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

97

Business Intelligence

Business Intelligence

Não há motivo para pânico! Abra o arquivo MassaDados.rpt

(com o NotePad++ ou com o bloco de notas mesmo, tanto faz)

e digite Crtl + End para ir direto ao final do arquivo. É

possível que você encontre o seguinte resultado (gerado por conta de como foi criada a massa de testes):

Manualmente mesmo, apague essas três últimas linhas (as duas em branco e a que contém o contador de linhas afetadas).

Feche e salve o arquivo, e execute o procedimento novamente

com o comando:

USE [DS]

GO

exec Importa_Vendas

Dessa vez, o erro deve ter desaparecido e uma menção de que o arquivo foi movimentado será exibido como retorno. Com os

dados na tabela TbImp_Vendas , o que vamos fazer é começar

a carregar as Dimensões e depois as Fatos. Uma a uma!

Para isso, criaremos uma tabela de “Stage” para cada dimensão, com os mesmos atributos das tabelas finais do nosso DW.

98

4.3 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS

Nela, colocaremos todos os dados fazendo todos os ajustes necessários. A ideia é que, se um dado foi posto na entidade do Data Stage, ele será incluído no Data Warehouse sem

problemas.

4.4 CARREGANDO A DIMENSÃO DATA

Como nossa primeira dimensão é a Data, vamos começar por ela. A má notícia é que não vai ser tão simples como carregar a data

“hoje” e pronto, dado que os registros estão sendo carregados agora.

Note que as vendas ocorreram em datas diferentes e, no nosso exemplo, em anos anteriores. O que precisamos é inserir no nosso DW as datas em que as vendas ocorreram! A boa notícia é que, ainda assim, é um processo bastante simples.

Primeiro vamos criar a tabela Data na Base de Stage. Vamos batizá-la de D_Data mesmo, dado que estará em outra base de dados. Como teremos de usar o nome das bases de dados nas consultas, não haverá confusão. Mas, novamente, se você quiser ser mais puritano do que eu e batizá-la com a notação DS_D_Data , fique à vontade!

A criação da dimensão na Stage segue exatamente os conceitos do Data Warehouse. Então, podemos criar essa tabela usando o mesmo comando:

USE [DS]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Data](

[Data] [date] Primary Key NOT NULL,

[Dia] [char](2) NOT NULL,

[Mes] [char](2) NOT NULL,

[Ano] [char](4) NOT NULL,

)

4.4 CARREGANDO A DIMENSÃO DATA

99

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Execute o procedimento Carrega_D_Data duas vezes seguidas!

Note que, na primeira, seu retorno é:

Ou seja, foram 181 linhas inseridas na tabela D_Data do Stage, depois 181 linhas inseridas no DW (afinal, a Dimensão D_Data do DW estava vazia) e mais uma linha inserida na tabela de Log! Na segunda vez, o retorno será:

102

4.4 CARREGANDO A DIMENSÃO DATA

Business Intelligence

Business Intelligence

begin try

-- Apaga os dados da D_Cliente no Stage:

truncate table [DS]..[D_Cliente]

-- Insere os dados na D_Cliente no Stage:

insert into [dbo].[D_Cliente]

Select Distinct

CodCliente as [Cod_Cliente],

NomeCliente as [Nome],

EmailCliente as [Email],

Getdate() as [LinData],

'Arquivo de Vendas' as [LinOrig]

from [DS]..[TbImp_Vendas]

-- Carrega os dados no DW:

insert into [DW]..[D_Cliente]

Select

ds.Cod_Cliente,

ds.Nome,

ds.Email,

ds.LinData,

ds.LinOrig

from [DS]..[D_Cliente] as ds left join [DW]..[D_Cliente] as dw on ds.Cod_Cliente = dw.Cod_Cliente

where dw.ID_Cliente is null

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'I

mporta Cliente','S', 'Carga de D_Cliente com sucesso.')

end try

begin catch

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Cliente','F', 'Erro ao carregar D_Cliente.')

end catch

Mais uma vez, como na carga de Data, se executarmos essa procedure duas vezes seguidas, teremos os registros carregados na primeira execução e nenhum carregado na segunda (pois os dados não podem se repetir).

4.5 CARREGANDO A DIMENSÃO CLIENTE

105

Business Intelligence

Business Intelligence

Verifique conforme a figura a seguir que o Id_Cliente , nossa surrogate, foi devidamente preenchida na base do DW, mesmo sem ter sido mencionada no nosso procedimento de carga. Isso se deve ao Identity que determinamos. Ele carrega automaticamente a coluna com um numerador sequencial.

Também temos quando ele entrou no nosso DW e de onde ele

veio para cada um dos valores carregados! Isso poderá ser de grande valia quando formos confrontar os dados do BI com os apresentados pelas demais fontes e em auditorias futuras. Como temos a origem e a data, podemos facilmente acessar a pasta Historico dos nossos arquivos e achar o arquivo que originou a informação pela data dele, ou seja, arquivo de Vendas do dia 31.05.2016 :

106

4.5 CARREGANDO A DIMENSÃO CLIENTE

4.6 CARREGANDO A DIMENSÃO GEOGRAFIA

Dado que temos a Data e o Cliente, que são as cargas mais simples, vamos passar para um movimento mais “complexo”. A ideia da dimensão Geografia é de carregarmos todas as tabelas em um único procedimento.

Novamente, sinta-se à vontade para discordar de mim e carregar uma em cada procedimento! A diferença será apenas a de termos mais ou menos procedimentos armazenados. Porém, os códigos em cada um e a ordem de execução serão exatamente iguais por uma imposição das chaves estrangeiras do DW. Eu opto por mantê-los todos juntos por uma simples questão de simplificar a execução (um único comando por dimensão).

Assim sendo, vamos construir as tabelas do nosso DS que receberão os dados geográficos bem como os índices para mantermos uma boa performance no processo de carga. Seguindo o nosso modelo, serão três tabelas:

USE [DS]

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_GrupoGeografico]

(

[Nome] [varchar](50) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL

)

GO

create index IX_D_GrupoGeografico_nome on DS..D_GrupoGeografico ([

Nome])

create index IX_D_GrupoGeografico_nome on DW..D_GrupoGeografico ([

Nome])

GO

CREATE TABLE [dbo].[D_Pais]

(

[Id_GrupoGeo] [int] NOT NULL,

4.6 CARREGANDO A DIMENSÃO GEOGRAFIA

107

Business Intelligence

Business Intelligence

insert into [DW]..[D_GrupoGeografico]

Select Distinct

ds.Nome,

ds.LinData,

ds.LinOrig

from [DS]..[D_GrupoGeografico] as ds left join DW..D_GrupoGeog rafico as dw

on ds.[Nome] =dw.[Nome]

Where dw.[Id_GrupoGeo] is null

--------------------------------------------------------------

-------------------

--------------------------------------------------------------

-------------------

-- Insere os dados na D_Pais do Stage:

insert into [dbo].[D_Pais]

Select Distinct

dw.Id_GrupoGeo,

ds.Pais,

Getdate() as [LinData],

'Arquivo de Vendas' as [LinOrig]

from [DS]..[TbImp_Vendas] as ds inner join [DW]..[D_GrupoGeogr afico] as dw

on ds.GrupoGeografico = dw.Nome

-- Carrega os dados no DW:

insert into [DW]..[D_Pais]

select

ds.[Id_GrupoGeo],

ds.[Sigla],

ds.[LinData],

ds.[LinOrig]

from [DS]..[D_Pais] as ds left join [DW]..[D_Pais] as dw

on ds.Id_GrupoGeo = dw.Id_GrupoGeo

and ds.Sigla = dw.Sigla

Where dw.Id_Pais is null

--------------------------------------------------------------

-------------------

--------------------------------------------------------------

-------------------

-- Insere os dados na D_RegiaoVendas do Stage:

insert into [dbo].[D_RegiaoVendas]

select Distinct

dw.Id_Pais,

110

4.6 CARREGANDO A DIMENSÃO GEOGRAFIA

ds.RegiaoVendas,

Getdate() as [LinData],

'Arquivo de Vendas' as [LinOrig]

from [DS]..[TbImp_Vendas] as ds inner join [DW]..[D_Pais] as d w

on ds.Pais = dw.[Sigla]

-- Carrega os dados no DW

insert into [DW]..[D_RegiaoVendas]

Select

ds.[Id_Pais],

ds.[Nome],

ds.[LinData],

ds.[LinOrig]

from [DS]..[D_RegiaoVendas] as ds left join [DW]..[D_RegiaoVen das] as dw

on ds.Id_Pais = dw.Id_Pais

and ds.Nome = dw.Nome

where dw.Id_RegiaoVendas is null

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'I

mporta Geografia','S', 'Carga das tabelas de Geografia com sucesso

.')

end try

begin catch

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Geografia','F', 'Erro ao carregar tabelas de Geografia.') end catch

Esse processo de carga se mostra um pouco mais complexo apenas por termos de capturar o valor da surrogate no DW da tabela Pai antes de carregarmos os dados da tabela Filho. Esse passo que fazemos para preencher os dados ainda no Stage garante que teremos a tabela Filho com a devida surrogate quando a enviarmos para o DW. A indexação se faz necessária por conta das cargas do dia a dia que podem ter muitos e muitos registros, mesmo tratando-se de dimensões (que dificilmente superam as centenas de registros).

4.6 CARREGANDO A DIMENSÃO GEOGRAFIA

111

Business Intelligence

O fato de efetuarmos três cargas em um mesmo procedimento,

mais uma vez, é apenas para centralizarmos a codificação de um mesmo “tema”. Se você achar melhor dividi-la em três procedimentos distintos por achar que unificados o procedimento fica mais complexo, não há nenhum impedimento.

Para entender o resultado, execute a Carrega_D_Geografia e, em seguida, rode o comando:

select

a.[Nome] as RegGeo,

b.[Sigla] as Pais,

c.[Nome] as RegVendas

from [D_GrupoGeografico] as a inner join [D_Pais] as b

on a.[Id_GrupoGeo] = b.[Id_GrupoGeo]

inner join [dbo].[D_RegiaoVendas] as c

on b.[Id_Pais] = c.[Id_Pais]

Unindo as tabelas por suas chaves, tem-se a estrutura geográfica completa:

Quando usarmos a Região Vendas (informação mais granular)

nas Fatos, poderemos saber também o País e a Região Geográfica (informações menos granulares)!

112

4.6 CARREGANDO A DIMENSÃO GEOGRAFIA

Business Intelligence

Business Intelligence

insert into [DW]..[D_Funcionario]

Select

ds.[Nome],

ds.[Login],

ds.[Id_Chefe],

ds.[LinData],

ds.[LinOrig]

from [DS]..[D_Funcionario] as ds left join [DW]..[D_Funcionari o] as dw

on ds.[Login] = dw.[Login]

where dw.Id_Funcionario is null

-- Atualiza o Id_Chefe no DW:

declare @Id_funcionario int

declare @LoginFuncionario varchar(50)

declare @NomeFuncionario varchar(50)

declare @NomeChefe varchar(50)

declare @Id_Chefe int

declare cur_AtualizaChefe cursor for

Select Id_Funcionario, Login, Nome from DW..D_Funcionario

Open cur_AtualizaChefe

fetch next from cur_AtualizaChefe into @Id_funcionario, @Login Funcionario, @NomeFuncionario

while @@FETCH_STATUS = 0

Begin

-- determina o nome do Chefe:

Set @NomeChefe = (Select Distinct VendedorChefeNome

from [DS]..[TbImp_Vendas] as b

where b.VendedorLogin = @LoginFuncion

ario

)

-- Determina o ID do Chefe:

Set @Id_Chefe = (Select Id_Funcionario

from [DW]..[D_Funcionario]as b

where b.Nome = @NomeChefe

)

-- Determina o ID do Chefe:

If @NomeChefe != @NomeFuncionario -- A pessoa não é o

prorpio chefe (quem não tem chefe)

Begin

update [DW]..[D_Funcionario]

Set Id_Chefe = @Id_Chefe

where Id_Funcionario = @Id_funcionario

End

fetch next from cur_AtualizaChefe into @Id_funcionario,@Lo

4.7 CARREGANDO A DIMENSÃO FUNCIONÁRIO

115

Business Intelligence

ginFuncionario,@NomeFuncionario

end

close cur_AtualizaChefe

deallocate cur_AtualizaChefe

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'I

mporta Funcionario','S', 'Carga de D_Funcionario com sucesso.') end try

begin catch

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Funcionario','F', 'Erro ao carregar D_Funcionario.')

end catch

O resultado dessa carga será conforme a consulta:

Note que o Id_Chefe ficou nulo para a Rachel Valdez e para Sistema. Ambos os usuários que não possuem chefes. Os demais possuem o Id do seu respectivo chefe!

4.8 CARREGANDO A DIMENSÃO PRODUTO

Essa talvez seja o processo mais complexo. Ainda assim, não teremos nenhuma grande dificuldade a não ser a de seguir um passo a passo correto para a carga dessa que é uma dimensão que pode 116

4.8 CARREGANDO A DIMENSÃO PRODUTO

Business Intelligence

Business Intelligence

ds.Cor,

ds.Ativo,

ds.LinData,

ds.LinOrig

from [DS]..[D_Produto] as ds left join [DW]..[D_Produto] as dw on ds.Cod_Produto = dw.Cod_Produto

where dw.Cod_Produto is null

-- Atualiza os Produtos que vieram com nome diferente (mas que possuem o mesmo COD_PRODUTO):

declare @CodProduto varchar(20)

declare @NomeProduto varchar(50)

declare @Tamanho varchar(5)

declare @Cor varchar(20)

declare @LinData date

declare @LinOrigem Varchar(50)

declare cur_AtualizaProduto cursor for

Select ds.Cod_Produto, ds.Nome, ds.tamanho, ds.cor, ds.Lin

Data, ds.LinOrig

from DS..D_Produto as ds left join DW..D_Produto as dw

on ds.Cod_Produto = dw.Cod_produto

where ds.Nome != dw.Nome

and dw.Ativo = 1

Open cur_AtualizaProduto

fetch next from cur_AtualizaProduto into @CodProduto, @NomePro duto, @Tamanho, @Cor, @LinData, @LinOrigem

while @@FETCH_STATUS = 0

Begin

-- Inativa o Produto com nome antigo:

update dw..D_Produto

set Ativo = 0

where Cod_Produto = @CodProduto

-- insere o registro com os novos dados:

insert into DW..D_Produto values (@CodProduto,@NomePro

duto,@Tamanho,@Cor,1,@LinData, @LinOrigem)

fetch next from cur_AtualizaProduto into @CodProduto, @Nom

eProduto, @Tamanho, @Cor, @LinData, @LinOrigem

end

close cur_AtualizaProduto

deallocate cur_AtualizaProduto

-- Faz o log do processo:

4.8 CARREGANDO A DIMENSÃO PRODUTO

119

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Produto','S', 'Carga de D_Produto com sucesso.')

end try

begin catch

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Produto','F', 'Erro ao carregar D_Produto.')

end catch

Ao carregarmos os produtos — por ser a primeira carga —, não teremos nenhuma alteração de nome, então serão 60 produtos carregados e uma linha inserida no Log. Quando formos efetuar a carga dos próximos arquivos (dos demais anos que existem na nossa origem), faremos uma alteração no nome de um dos produtos a fim de testar a 2SCD.

Com isso, temos todas as nossas dimensões carregadas!

4.9 CARREGANDO A FATO DE VENDA

Finalizada a carga das dimensões, vamos carregar nossa Fato, a primeira de duas que temos em nosso DW. Teremos que começar

pela Fato de Venda, dado que os registros dela serão “pais” da tabela detalhada de Vendas, o que nos impossibilitaria de carregarmos a Fato Venda Detalhes primeiramente.

Antes de iniciarmos a criação da nossa tabela no Stage, vamos recordar o primeiro dos conceitos do DW. Nenhuma coluna pode aceitar null . Se um dado veio nulo, o processo de carga deve entender se é algo esperado ou um erro. Deve-se preencher o campo com uma informação genérica para que se saiba que aquele dado não foi carregado. Essa prática resolve muitos problemas de origens de dados incoerentes. Isso quer dizer que temos de impedir que um dado da Fato venha com um nulo ou que, pior ainda, deixe de ser carregado (tornando os números incorretos).

120

4.9 CARREGANDO A FATO DE VENDA

Para darmos esse tratamento, vamos inserir um registro genérico em cada uma das dimensões. Ou seja, se tiver ocorrido qualquer problema na carga de uma dimensão e não houver uma relação válida entre o Fato e essa Dimensão, um registro genérico será atribuído, a fim de se manter os valores coerentes.

Explicando melhor: imagine que, por um erro, um Vendedor não foi carregado na Dimensão. Quando formos carregar a Fato, precisaríamos deixar de fora todas as vendas dele (já que temos uma relação de chave estrangeira entre a Fato e as dimensões). Com isso, o total de vendas da nossa empresa estaria errado no BI! Para evitar esse problema, vamos colocar um vendedor “Genérico”. Mesmo que não se tenha a informação correta de quem fez a venda, ela não vai deixar de constar em nossos números!

Para tanto, o script a seguir fará essa inserção. E teremos de colocar esse registro em cada nova dimensão conforme o DW for crescendo:

Use DW

GO

Insert into D_Cliente

values ('999999','Não Aplica', 'Não

Aplica', Getdate(), 'Registro padrão inserido manualmente'); Insert into D_Data

values ('1900/01/01', '01','01','1

900');

Insert into D_Funcionario

values ('Não Aplica','Não Aplica',n

ull, Getdate(), 'Registro padrão inserido manualmente');

Insert into D_GrupoGeografico values ('Não Aplica', Getdate(), 'Re gistro padrão inserido manualmente');

Insert into D_Pais values ((select Id_GrupoGeo from D

_GrupoGeografico where Nome = 'Não Aplica'), 'XX', Getdate(), 'Reg istro padrão inserido manualmente');

Insert into D_RegiaoVendas values ((select Id_Pais from D_Pais where Sigla = 'XX'), 'Não Aplica', Getdate(), 'Registro padrão ins erido manualmente');

Insert into D_Produto values ('999999','Não Aplica','NA',

'NA','1', Getdate(), 'Registro padrão inserido manualmente'); Devemos ter em mãos as chaves geradas para cada um desses 4.9 CARREGANDO A FATO DE VENDA

121

registros, a fim de colocá-las no processo de carga das Fatos. Assim, usaremos s função Isnull que ditará: se o valor da surrogate da dimensão vier nulo, traga o valor do genérico.

Dessa forma, nunca deixaremos de contar com todos os valores e, de quebra, poderemos verificar nas sumarizações os registros com esses valores para atuarmos nos erros de carga (se houver).

CUIDADO

Coloque como código dos dados genéricos apenas informações

que, com certeza, não existam na realidade. Por exemplo, usar o dia 01/01/2020 como genérica para a D_Data é um erro, pois existirão vendas reais nesse dia, e elas seriam misturadas com as vendas cujas datas não foram estipuladas. Use sempre

informações bastante diferentes das possíveis (por exemplo, 01/01/1900 para a Data!)

Vamos então criar a estrutura no nosso DS. E como a Fato não receberá uma surrogate própria, ela será exatamente igual à estrutura do DW. Para isso, vamos rodar o comando:

USE [DS]

GO

CREATE TABLE [dbo].[F_Venda](

[Data] [date] NOT NULL,

[Nr_NF] [varchar](10) NOT NULL,

[Id_Cliente] [int] NOT NULL,

[Id_Funcionario] [int] NOT NULL,

[Id_RegiaoVendas] [int] NOT NULL,

[Vlr_Imposto] [decimal](18, 2) NOT NULL,

[Vlr_Frete] [decimal](18, 2) NOT NULL,

[LinData] [date] NOT NULL,

[LinOrig] [varchar](50) NOT NULL,

CONSTRAINT [PK_F_Venda] PRIMARY KEY CLUSTERED

(

[Data] ASC,

122

4.9 CARREGANDO A FATO DE VENDA

Business Intelligence

o from DW..D_Funcionario where Login = 'Não Aplica') declare @idRegiaoGenerico int = (Select Id_RegiaoVendas fr

om DW..D_RegiaoVendas where Nome = 'Não Aplica')

insert into DS..F_Venda

Select

Data,

Nr_NF,

Id_Cliente,

Id_Funcionario,

Id_RegiaoVendas,

sum(Vlr_Imposto),

sum(Vlr_Frete),

Getdate() as [LinData],

'Arquivo de Vendas' as [LinOrig]

from(

Select Distinct

isnull(a.DataVenda,'1900/01/01') as Data,

isnull (a.NrNf, '000000') as Nr_NF,

isnull(c.Id_Cliente, @idclienteGenerico) as Id_Cliente

,

isnull(d.Id_Funcionario, @idFuncionarioGenerico) as Id

_Funcionario,

isnull(e.Id_RegiaoVendas, @idRegiaoGenerico) as Id_Reg

iaoVendas,

cast(ImpTotal as decimal(18,2)) as Vlr_Imposto,

cast(Frete as decimal(18,2)) as [Vlr_Frete]

from DS..TbImp_Vendas as a Left join DW..D_Data as b

on a.DataVenda = b.Data

left join DW..D_Cliente as c

on a.CodCliente = c.Cod_Cliente

left join DW..D_Funcionario as d

on a.VendedorLogin = d.Login

left join DW..D_RegiaoVendas as e

on a.RegiaoVendas = e.Nome

) as x

group by

Data,

Nr_NF,

Id_Cliente,

Id_Funcionario,

Id_RegiaoVendas

-- Carrega os dados no DW:

insert into DW..F_Venda

Select

ds.[Data],

124

4.9 CARREGANDO A FATO DE VENDA

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

isnull(a.DataVenda,'1900/01/01') as Data,

isnull (a.NrNf, '000000') as Nr_NF,

isnull(c.Id_Cliente, @idclienteGenerico) as Id_Cliente

,

isnull(d.Id_Funcionario, @idFuncionarioGenerico) as Id

_Funcionario,

isnull(e.Id_RegiaoVendas, @idRegiaoGenerico) as Id_Reg

iaoVendas,

isnull(f.Id_Produto, @idProdutoGenerico) as Id_Produto

,

isnull(cast(a.PrecoUnitario as decimal(18,2)),0) as Vl

r_Unitario,

isnull(cast(a.Qtd as int),1) as Qtd_Vendida,

Getdate() as [LinData],

'Arquivo de Vendas' as [LinOrig]

from DS..TbImp_Vendas as a Left join DW..D_Data as b

on a.DataVenda = b.Data

left join DW..D_Cliente as c

on a.CodCliente = c.Cod_Cliente

left join DW..D_Funcionario as d

on a.VendedorLogin = d.Login

left join DW..D_RegiaoVendas as e

on a.RegiaoVendas = e.Nome

left join DW..D_Produto as f

on a.Cod_Produto = f.Cod_Produto

where f.Ativo = '1'

) as x

Group by

Data,

Nr_NF,

Id_Cliente,

Id_Funcionario,

Id_RegiaoVendas,

Id_Produto

-- Carrega os dados no DW:

insert into DW..F_VendaDetalhe

Select

ds.[Data],

ds.[Nr_NF],

ds.[Id_Cliente],

ds.[Id_Funcionario],

ds.[Id_RegiaoVendas],

ds.[Id_Produto],

ds.[Vlr_Unitario],

ds.[Qtd_Vendida],

ds.[LinData],

128

4.10 CARREGANDO A FATO DE DETALHE DE VENDA

ds.[LinOrig]

from DS..F_VendaDetalhe as ds left join DW..F_VendaDetalhe

as dw

on ds.Data

= dw .Data

and ds.Nr_NF

= dw.Nr_NF

and ds.Id_Cliente

= dw.Id_Cliente

and ds.Id_Funcionario = dw.Id_Funcionario

and ds.Id_RegiaoVendas = dw.Id_RegiaoVendas

and ds.Id_Produto

= dw.Id_Produto

where dw.Data is null

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'I

mporta Fatos de Detalhe de Venda','S', 'Carga de F_VENDADETALHE co m sucesso.')

end try

begin catch

-- Faz o log do processo:

insert into [dbo].[Adm_Log] values (newid(), getdate(), 'Impor ta Fatos de Venda Detalhe','F', 'Erro ao carregar F_VENDADETALHE.'

)

end catch

Note a condição Where ao final do processo de carga do DataStage. Ela garante que os produtos carregados serão somente os que possuem a versão ativa. Sem esse comando, haveria duplicidade dos registros que já tivessem algum produto inativado pela 2SCD.

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

Criamos todas as procedures que compõe o processo de carga.

Diariamente, ou na periodicidade desejada (lembre-se da latência que comentamos anteriormente), vamos executar esse

processamento a fim de carregar os arquivos que forem gerados à partir dos transacionais.

Uma forma de facilitar a chamada a cada um dos processos de

carga é criar uma procedure que vai fazer a execução de todas as outras, na ordem certa!

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

129

O comando seguinte criará a procedure “Workflow” que chamará cada uma das cargas na ordem correta. Quando formos criar os processos de agendamento, bastará executar essa única procedure e todo o processo será chamado:

USE DS

GO

create procedure Workflow

as

-- Carrega os dados do arquivo de Vendas:

exec [dbo].[Importa_Vendas]

-- Carrega as Dimensões:

exec [dbo].[Carrega_D_Data]

exec [dbo].[Carrega_D_Cliente]

exec [dbo].[Carrega_D_Geografia]

exec [dbo].[Carrega_D_Funcionario]

exec [dbo].[Carrega_D_Produto]

-- Carrega as Fatos:

exec [dbo].[Carrega_F_Venda]

exec [dbo].[Carrega_F_VendaDetalhe]

Se estivéssemos usando a versão paga do SQL Server, teríamos a nosso dispor a possibilidade de criar Jobs, que são rotinas agendadas. Eles seriam criados para executarem os processos de carga na hora correta. Como estamos usando a versão gratuita, não temos esse recurso disponível.

Mas essa falta é facilmente contornada com o uso do agendamento do próprio Windows! Com ele, poderemos criar a chamada para a execução da nossa procedure Workflow sem problemas! Só que, para isso, teremos de seguir alguns passos.

Primeiramente, vamos criar um usuário no nosso servidor de banco de dados que terá permissão para executar esse comando. Por 130

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

Business Intelligence

padrão (e fizemos a instalação padrão), o SQL só permite conexão de usuários autenticados pelo Windows. Como vamos usar um usuário do próprio SQL, precisaremos alterar essa configuração.

No Management Studio, clique com o botão direito na Instância e selecione Propriedades . Na aba Segurança , selecione Modo de Autenticação do SQL Server e do Windows , conforme:

Feito isso, o comando a seguir vai criar o usuário com permissão para acessar o DS e o DW, e para utilizar os comandos de Bulk Insert :

USE [master]

GO

CREATE LOGIN [BI_User]

WITH PASSWORD= '[email protected]',

DEFAULT_LANGUAGE=[Português (Brasil)],

CHECK_EXPIRATION=OFF, CHECK_POLICY=OFF

GO

master..sp_addsrvrolemember @loginame = N'BI_User', @rolename = N'

sysadmin'

GO

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

131

Business Intelligence

Para que esse usuário de fato passe a ter acesso, a Instância do SQL Server Express deverá ser reiniciada para efetivar o modo de autenticação. Clique com o botão direito do mouse novamente na instância e selecione Reiniciar , dando OK para a mensagem de aviso.

Depois vamos criar um arquivo executável que disparará nossa procedure, o chamado arquivo .bat . Nele inseriremos uma linha de comando que fará a requisição para o SQL, a fim de executar nossa procedure.

132

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

Business Intelligence

O SQL Server possui um command prompt chamado sqlcmd

pelo qual podemos passar as credenciais de usuário (por isso criamos o BI_User ) e os comandos que serão executados. No nosso caso, a procedure Workflow .

Para tanto, vamos criar uma pasta que conterá nossos bats .

Podemos criar a c:\Comandos . Depois, abra um editor de texto (Notepad, Notepad++, Aton, qualquer um) e digite o comando:

sqlcmd -S "WIN-2Q73028G8MF\BIPRD" -U "BI_User" -P "[email protected]" -Q "E

xec DS..workflow"

Detalhando o comando, temos que -S é o Servidor e instância (para obter corretamente essa informação, digite o comando select @@SERVERNAME no Management Studio), -U” é o comando para passar o usuário, -P passará a senha e -Q passará a query propriamente dita para o SQL.

Salve o arquivo com o nome CargaDiaria.bat dentro da pasta que criamos e pronto! Temos nosso comando finalizado:

Para o agendamento propriamente dito, precisaremos entrar nas Ferramentas Administrativas do Windows e abrir Agendador

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

133

Business Intelligence

de Tarefas :

Abrindo o Agendador, clique em Biblioteca do Agendador

e, ao lado direito, Nova Pasta . Nomeie a pasta como BI :

134

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

Business Intelligence

Business Intelligence

Clique na pasta BI recém-criada, e clique em Criar Tarefa Básica :

Podemos dar o nome de CargaD1 , porque esse agendamento

será responsável por executar as cargas que ocorrerão uma vez ao dia. Quando novos arquivos forem sendo disponibilizados, bastará 4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

135

Business Intelligence

adicionar seus processos na procedure Workflow, sem necessidade de dar nenhuma manutenção nesse agendamento. Se precisarmos de cargas com latências diferentes, aí sim criaremos novos agendamentos com o nome referenciando a periodicidade, como CargaH12 ou CargaM1 (para dados carregados mensalmente), por exemplo.

Clicando em Avançar , selecione o agendamento

Semanalmente e vamos atribuir que esse procedimento ocorrerá às 6:00hs somente nos dias úteis. A periodicidade deverá atender ao seu negócio. Se a origem dos dados (no nosso exemplo, o arquivo MassaDados.rpt ) for gerado todo dia, inclusive aos finais de semana, opte pela periodicidade Diariamente .

Mas para efeito do nosso cenário, vamos prosseguir com o agendamento nos dias úteis e, para tanto, configure selecionando os dias de segunda a sexta-feira:

Avançando, teremos as opções de Iniciar um Programa , Enviar um Email ou Exibir uma Mensagem . Opte por 136

4.11 AGENDAMENTO E CARGA NO DIA A DIA

Business Intelligence

Iniciar um programa e clique em Avançar . Na seleção Procurar... , selecione o .bat que fizemos:

Feito isso, basta avançar e concluir! Nosso agendamento estará pronto para ocorrer todos os dias úteis, ás 6:00hs.

4.12 REVISÃO E TESTES

Para testarmos o processo todo, vamos criar mais um arquivo de dados. Se nos lembrarmos do capítulo do desenho de nosso DW, havíamos feito um script para a geração da massa de testes e colocado nele o filtro para obtermos apenas os dados de um determinado ano. Recuperando o referido script, altere a condição where para o ano de 2006 e repita o processo de geração do arquivo:

where year([OrderDate]) = 2006

Teremos então, novamente, um arquivo chamado

4.12 REVISÃO E TESTES

137

Business Intelligence

MassaDados.rpt no diretório c:\Arquivos .

Feito isso, vá até a pasta c:\Comandos onde deixamos nosso arquivo .dat que será executado todo dia às 6:00hs. Vamos, para efeito de testes, executá-lo manualmente. Clique duas vezes nele.

Um prompt será exibido com o comando que havíamos declarado: Assim que o processo terminar, o prompt fechará

automaticamente. Nesse momento, teremos de ter o arquivo na pasta c:\Arquivos\Historico com a data de hoje e os dados carregados no BI! Execute o comando select count(*) from F_VendaDetalhe . Teremos passado de 5.149 registros (da primeira carga) para 24.496.

Finalmente, execute a geração de um arquivo com todos os dados disponíveis (apenas excluindo a cláusula where do comando de extração). Será um arquivo com 121.319 linhas (sendo os dois primeiros do cabeçalho). Não haverá problemas dos dados dos anos 2005 e 2006 estarem na massa. Nosso processo de carga é incremental, então os registros já carregados não serão duplicados.

138

4.12 REVISÃO E TESTES

Business Intelligence

Deixe o arquivo na pasta c:\Arquivos e espere até a manhã do próximo dia útil! O processo deve ter sido carregado, inclusive com os Logs de sucesso (ou falha!) na tabela Adm_Log :

4.13 CONCLUSÃO

Fizemos neste capítulo todo o processo de carga e agendamento dos dados de um arquivo texto para nosso DS, e posteriormente para nosso Data Warehouse. Criamos soluções para tratamento de erros e para dados nulos!

Nosso ETL está pronto para carregar dados todos os dias, alimentar nosso DW e possibilitar que consultemos as informações das mais variadas formas a fim de, finalmente, começarmos a analisar nossos fenômenos.

4.13 CONCLUSÃO

139

Business Intelligence

análises, novos fenômenos e relações.

O que cobriremos neste capítulo é a criação de soluções para cada tipo de consumo, nos atendo aos exemplos relativos aos dados de notas fiscais que importamos e às possibilidades com as ferramentas que escolhemos. Pela própria natureza de uma plataforma de BI, temos infinitas formas de apresentar e interpretar as informações, por isso mesmo o que pretendemos aqui é exemplificar o que se pode fazer e não gerar um guia sobre quais indicadores deveriam ser criados para uma análise de varejo.

Assim sendo, vamos criar um dashboard para nosso nível corporativo e um relatório detalhado para nosso nível departamental. Para o nível pessoal, criaremos uma visualização por meio de uma tabela dinâmica.

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

Usaremos duas ferramentas para atendermos às demandas de uso da nossa plataforma de BI: o Reporting Service para atender às dashboards e aos relatórios, e o Excel com o SQL Server PowerPivot para atender às consultas dinâmicas e mesmo às dashboards.

O Reporting Service é de fato gratuito e foi instalado juntamente com o SQL Server. Ele é um servidor de relatórios (server side). Para criarmos os relatórios que ficarão disponíveis nele, precisaremos instalar uma ferramenta chamada SSDT (SQL Server Data Tools) que atualmente é componente do Visual Studio. Veremos a seguir como baixar e configurar tudo!

O Excel é um componente do Office e rodará nas estações dos

usuários (client side). É certo que ele é um produto pago, mas entendo que já está presente e disponível em seu ambiente, e por isso o consideramos como parte integrante da solução gratuita. O

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

141

detalhe é para o Add-in PowerPivot que deve ser instalado ou habilitado em cada máquina cliente, como veremos logo a seguir.

Não vou entrar no mérito do uso de, por exemplo, o OpenOffice versus as ferramentas da Microsoft, porque não quero criar inimizades por aqui. Mas caso você não possua o Excel nas máquinas de seus usuários, avalie a possibilidade (estou apenas convidando, ok?) de adquirir uma assinatura do Office 365

(http://www.office365.com).

Para a criação dos relatórios que serão publicados no Reporting Service, precisaremos do SSDT. Nas versões anteriores, essa ferramenta já vinha integrada ao pacote de Ferramentas Administrativas da instalação do SQL Server, tal qual o Management Studio e o Profiler. Desde as últimas versões, contudo, a Microsoft decidiu por disponibilizá-la como um pacote à parte integrado ao Visual Studio.

O correto é instalar as ferramentas de desenvolvimento em outra máquina que não o servidor. Um PC com Windows 7 ou superior é o ideal. Cria-se os relatórios nas estações dos desenvolvedores para depois efetuar o upload para o servidor.

Primeiramente, temos de fazer o download dessa ferramenta que pode ser feito pelo link https://www.microsoft.com/pt-br/download/confirmation.aspx?id=42313. Depois de feito o download, clique duas vezes no arquivo SSDTBI_x86_PTB.exe (baixei a versão em português). Selecione um local para a extração dos arquivos, e aguarde a extração e execução automática do instalador:

142

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

Business Intelligence

Aceite os termos de licença e clique em Avançar . Opte por usar o Microsoft Update e avance novamente. Opte por executar uma nova Instalação do SQL Server. Se optar por adicionar à instância existente, a instalação apresentará um erro.

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

143

Business Intelligence

Selecione a opção do SQL Server Data Tools e clique em Avançar :

144

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

Business Intelligence

Se tudo correu bem, a mensagem de êxito deve ser exibida ao

final do processo:

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

145

Business Intelligence

Em Programas , o Visual Studio 2013 poderá ser localizado. Ao ser iniciado, selecione Novo Projeto e note que abrirá a tela de opções de criação de projetos do Analysis Services, do Integration Services e do Reporting Services. Vamos iniciar um novo projeto de servidor de relatório. Podemos nomeá-lo de BI e deixar os arquivos no local padrão. Depois, basta clicar em OK :

146

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

Business Intelligence

Conforme formos criando os relatórios e dashboards,

comentaremos sobre os conceitos de uso do Visual Studio. Por hora, termos chegado até aqui indica que tudo está em ordem!

Feita a instalação do SSDT, vamos instalar ou habilitar o PowerPivot, que será usado nas estações dos usuários do BI. Esse add-in permitirá dar muito mais poder às consultas dinâmicas do Excel!

Para obter o PowerPivot para o Excel 2013 em diante, basta habilitá-lo. No Excel, vá em Arquivo , depois em Opções e depois em Suplementos . Na parte debaixo da janela, selecione Suplementos COM e clique em ir . Selecione o PowerPivot e clique em OK :

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

147

Business Intelligence

Business Intelligence

O Menu PowerPivot deve ter aparecido no seu Excel:

Havendo algum problema, para maiores auxílios, entre no site https://support.office.com/pt-br/article/Iniciar-o-suplemento-do-Power-Pivot-no-Microsoft-Excel-a891a66d-36e3-43fc-81e8-

fc4798f39ea8?omkt=pt-BR&ui=pt-BR&rs=pt-BR&ad=BR.

Para o Excel 2010 ou 2007, deve-se efetuar o Download do Add-in, em https://www.microsoft.com/pt-BR/download/details.aspx?

id=29074. Opte pela versão de 32 ou 64 bits (deve ser a mesma do Office instalado na máquina de quem vai utilizar a ferramenta): 148

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

Business Intelligence

Business Intelligence

Vale lembrar de que o .Net Framework 4.0 ou superior é pré-

requisito e deve estar também instalado em cada uma das máquinas dos usuários que farão uso do PowerPivot. Ele pode ser baixado (versão em português brasileiro) em https://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?id=30653.

Uma vez que todos os pré-requisitos tenham sido verificados e que se tenha o arquivo de instalação, basta executá-lo nas máquinas dos usuários. Clique duas vezes para executar o instalador, aceite os termos do contrato e clique em Instalar :

5.2 OBTENDO AS FERRAMENTAS E ADD-IN

149

Business Intelligence

Feita a instalação, abra o Excel e nova aba deve estar visível.

Caso contrário, podemos seguir os mesmos passos para habilitar a PowerPivot que fizemos para as versões mais novas. Fazendo isso, o menu aparecerá no seu Excel 2010:

Quando formos criar nossas visões dinâmicas, explicarei um pouco sobre a PowerPivot. Novamente, se a aba do Excel está disponível, estamos com tudo certo!

5.3

CRIAÇÃO

E

PUBLICAÇÃO

DO

DASHBOARD

Vamos então desenvolver nosso dashboard que será

disponibilizado para nossos consumidores do BI Corporativo. A ideia é a de criarmos alguns gráficos e indicadores que terão sentido entre si, dando aos nossos usuários um panorama geral de como as vendas estão indo. Como exemplo, vamos apresentar Receita Mensal, Análise de Volume e Participação por Produto e Análise de Volume e Participação por Cliente em uma mesma visualização.

Para tanto, vamos abrir novamente o Visual Studio e entrar na solução BI que havíamos criado. Ao lado direito, existe o Gerenciador da Solução (ou Solution Explorer ) que é a árvore do que temos desenvolvido na solução que estamos criando.

No caso do projeto de relatórios que estamos fazendo, existem 3

itens: fontes de dados compartilhadas, conjunto de dados compartilhados e relatórios.

150

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Clique com o botão direito em Fonte de Dados

Compartilhadas e clique em Adicionar Nova Fonte de Dados... . Na janela que aparecerá, nomeie a fonte de dados como Datawarehouse (dado que é lá que vamos nos conectar) e em Cadeia de Conexão , clique em Editar . A nova janela solicitará o servidor, usuário, senha e qual o banco de dados. Preencha as informações com os dados de acesso ao nosso DW e clique em OK .

Se estiver tudo certo, o resultado deverá ser:

Se tiver dificuldade para lembrar do nome do servidor, basta ir ao Management Studio do SQL Server, abrir uma nova consulta e digitar select @@SERVERNAME . O resultado será o servidor a qual devemos conectar. O usuário e a senha são os mesmos que criamos para o acesso da nossa rotina diária em .bat , no capítulo anterior.

Clicando em OK , a janela será fechada e a fonte de dados DataWarehouse.rds deverá ter aparecido.

Feito isso, temos agora uma fonte de dados ligada ao nosso DW

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

151

Business Intelligence

que poderá ser usada por todos os relatórios que desenvolveremos.

Vamos então clicar com o botão direito em Relatórios e selecionar Adicionar => Novo Item (ou apenas o atalho Crtl+

Shift+A ). Na janela que aparecerá, selecione Relatório e nomeie de DashboardVendas.rdl :

Uma nova configuração de tela do Visual Studio aparecerá, com as ferramentas para o desenvolvimento de relatórios. Vamos discorrer um pouco sobre essa interface com a qual conviveremos bastante durante a vida de nosso BI (novos relatórios serão sempre solicitados!).

152

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

À direita, temos o já mencionado Gerenciador de Soluções

que exibirá tudo o que está sendo construído. Por ele que criaremos novos itens (como acabamos de fazer), clicaremos duas vezes em itens existentes para editá-los etc.

Logo abaixo dele, temos as Propriedades . Essa janela se modifica de acordo com o objeto que está selecionado, mostrando sempre as propriedades desse objeto.

À esquerda, temos a Caixa de Ferramentas que contém os

componentes que podemos incluir em nosso relatório. Interessante mencionar que podemos instalar ferramentas novas (compradas ou gratuitas) caso necessário. Se notar bem abaixo, temos uma outra aba que é a Dados do Relatório , que fica alternada à Caixa de Ferramentas . Usaremos bastante essa aba para definir nosso conjunto de dados do relatório e seus respectivos campos!

Já ao centro, temos o Canvas , que é o nosso relatório propriamente dito. Ele se apresenta inicialmente no modo de edição. Mas se clicarmos em Exibir , teremos a execução dele tal qual o nosso usuário final terá. Vamos usar bastante esse recurso durante o desenvolvimento.

Primeiramente, vamos cuidar de deixar nosso dashboard

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

153

Business Intelligence

bonito! Vou colocar um cabeçalho com logotipo e um título e um rodapé com a data/hora. Para tanto, clique com o botão direito sobre o canvas e clique em inserir . As duas últimas opções são Cabeçalho e Rodapé. Insira os dois:

Clique com o botão direito no cabeçalho e clique novamente em Inserir . Escolha Imagem e busque pelo logotipo de sua empresa (que chamei de Empresa para nosso exemplo). Depois, na caixa de ferramentas, arraste uma Caixa de Texto para o cabeçalho e escreva nela o Título Dashboard de Vendas . Ajuste a fonte (tamanho, cor etc.) pelos botões do ribbon, ou pela caixa Propriedades .

Para a data/hora do rodapé, usaremos uma fórmula! Arraste uma Caixa de Texto para o rodapé. Clique com o botão direito dentro da caixa e selecione Expressão . Na caixa que abrirá, na 154

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

parte esquerda, existe um grupo de funções chamado Funções Comuns . Expanda e localize Data e Hora . Na caixa do centro, selecione Now , clicando duas vezes nela. Na caixa superior, temos de ter a expressão =Now() . Clique em OK .

Cuide para centralizar os textos, colocar as caixas de texto nos lugares esteticamente apropriados (conforme os padrões de sua empresa, ou gosto dos seus usuários), usar a linha (da caixa de ferramenta) para separar as áreas etc. Se clicar em Exibir , poderemos ver nosso relatório com cabeçalho e rodapé, mas sem nenhuma informação ainda:

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

155

Business Intelligence

Business Intelligence

Feitas as firulas, vamos ao desenvolvimento! Antes de iniciar uma codificação, recomendo que se faça um desenho do que será o produto final, até para que seus usuários possam validar. Para esse primeiro gráfico, que é o de Receita Mensal, o esboço seria algo mais ou menos assim:

Será um gráfico de barras com o eixo X determinando os últimos seis meses, e o eixo Y será o de valor. Para cada mês, teremos duas barras: a do mês do ano atual, e a do mesmo período para o ano anterior (para comparação). Teremos também uma linha com a média para determinar uma visão da tendência.

A primeira coisa a ser desenvolvida deverá ser uma consulta no 156

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Business Intelligence

atuaria em todos os registros.

Voltando ao Visual Studio, selecione a aba Dados do Relatório e clique com o botão direito em Fontes de Dados .

Em uma nova fonte, selecione aquela que havíamos criado, como fonte de dados compartilhada (chamada de Data Warehouse) e clique em OK :

Na mesma aba de Dados do Relatório , clique com o botão

direito em Conjunto de Dados e vamos adicionar o comando que fizemos anteriormente. Dê o nome de Receita Mensal e cole nosso comando na área de texto:

158

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Clicando em OK , teremos agora os campos disponíveis para serem inseridos em tabelas, gráficos etc.:

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

159

Business Intelligence

Já que temos os dados disponíveis, vamos colocá-los em um gráfico! Arraste um componente Gráfico da Caixa de ferramentas para o canvas, e selecione o primeiro tipo dos gráficos de coluna. Clicando sobre o gráfico, aparecerá um assistente de Dados do Gráfico. Arraste o campo Mês do nosso conjunto de dados para o campo Grupo de Categorias . Arraste os valores atual e anterior para o campo de Valores . Estaremos com algo parecido com o seguinte:

160

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Ainda na área de Valores do assistente de Dados do Gráfico, clique no sinal de + (mais) em verde, e selecione Expressão... .

Na caixa de expressões, digite:

=(Fields!VlrAtual.Value+Fields!VlrAnterior.Value)/2

Aparecerá um conjunto de valor chamado Series , que será nossa média! Vamos alterar seu nome e o tipo de gráfico para transformá-lo em uma linha. Clique na seta que aponta para baixo ao lado da palavra Series , e selecione Alterar o tipo de gráfico... . Selecione o primeiro tipo de Linha.

Clique novamente na mesma seta e selecione Propriedades da

Serie . Vá em Legenda e digite Media na caixa Texto da Legenda Personalizada . Teremos algo como:

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

161

Business Intelligence

Business Intelligence

Podemos excluir os títulos dos eixos e formatar o valor do eixo Y (clicando com o botão direito sobre ele e selecionando Propriedades do eixo vertical ) para número sem casas decimais e com exibição em milhar (dividido por mil). Altere o título do gráfico para Receita Mensal (R$M) e pronto! Clique em Exibir para ver o resultado:

Temos nosso primeiro gráfico de dados que saíram de um sistema transacional, percorreram todo o ETL até o DW, foram selecionados em um conjunto de dados e apresentados em um 162

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Declare @AnoAnterior char(4) = (Select Year(dateadd(year,-1,@AnoAt ual)))

declare @TotalVenda decimal(18,2) = (select Sum(Vlr_UNitario * Qtd _vendida) from F_VendaDetalhe where year(Data) = @AnoAnterior) Select top 10

b.Nome,

VlrAtual = (Select Sum(Vlr_UNitario * Qtd_vendida)

from F_VendaDetalhe as x

where x.Id_Produto = b.Id_Produto

),

Sum(Vlr_UNitario * Qtd_vendida) as VlrAnterior,

Sum(Vlr_UNitario * Qtd_vendida)/@TotalVenda as percentual

from F_VendaDetalhe as a inner join D_Produto as b

on a.Id_Produto = b.Id_Produto

where year(a.Data) = @AnoAnterior

group by b.Id_produto, b.Nome

order by 3 desc

Vamos criar um novo conjunto de dados no relatório, tal qual fizemos para o primeiro gráfico, nomeando-o de Participação Produto , colocando nele o comando SQL anterior.

Como vamos querer a tabela e o gráfico de pizza alinhados, arraste a ferramenta Retângulo para dentro do canvas, e alinhe-o com o gráfico já existente. Expanda para que ele fique com a mesma área do gráfico de Volume de Vendas.

Depois, arraste a ferramenta Tabela para dentro do retângulo.

Arraste os campos do Participação Produto para dentro dela, e formate os números e textos para que fiquem de acordo com a identidade visual que você quer dar.

Como apresentamos os números em milhar (divididos por mil)

no primeiro gráfico, vamos manter o padrão na tabela também! A formatação é feita para cada célula, clicando-se com o botão direito sobre ela e selecionando Propriedades da caixa de texto .

Para colocar um título na tabela, clique com o botão direito sobre a primeira linha e selecione Inserir linha acima .

164

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Business Intelligence

Selecione as células dessa nova linha, clique com o botão direito e selecione Mesclar células . Nessa nova linha de uma única célula, digite Top 10 Produtos por Vlr Venda .

Feito o trabalho com a tabela, vamos inserir um gráfico, arrastando Gráfico para dentro do retângulo, ao lado da tabela.

Tal qual fizemos no primeiro gráfico, insira o Nome na Série e o Percentual na área de Valores. Nomeie o gráfico e arraste a legenda para a parte de baixo. O resultado deve ser algo como: E executando o modo e Exibir , devemos ter algo como:

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

165

Business Intelligence

Novamente, quando colocamos os dados em um dashboard, podemos entender quais são os produtos mais vendidos e as relações percentuais entre eles. Combinando com as vendas mensais do primeiro gráfico, podemos ter uma ideia de previsão de estoque, sazonalidade etc.

Para finalizar esse painel, vamos inserir a visão por cliente com a Análise de Volume e Participação por Cliente. A ideia é visualizar os principais clientes e suas participações mês a mês para definirmos as tendências (se um cliente está diminuindo suas compras, se outro está aumentando etc.). Temos a seguir um exemplo do que seria o esboço dessa análise:

A ideia é mostrar os TOP 5 clientes e os volumes financeiros de cada um deles na evolução mês a mês. Para fazer essa busca, vamos precisar do seguinte comando no SQL:

Declare @DataAtual Date = (Select max(data) from D_Data)

Select

Month(a.Data) as Mes,

b.Nome,

Sum((a.Vlr_Unitario * a.Qtd_Vendida)) as Vlr

from F_VendaDetalhe as a inner join D_Cliente as b

on a.Id_Cliente = b.Id_Cliente

166

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

where a.Data between dateadd(month,-5,@DataAtual) and @DataAtual and a.Id_Cliente in (Select Id_cliente

from (

Select top 5

Id_cliente, Sum((Vlr_Unitario * Qtd_Ve

ndida)) as vlr

from F_VendaDetalhe

where Data between dateadd(month,-5,@

DataAtual) and @DataAtual

Group by Id_cliente

order by 2 desc

) as x)

group by Month(a.Data), b.Nome

order by 1,2,3

Fizemos então uma seleção de valor mensal de compra dos TOP

5 clientes dos últimos 5 meses. Se seguirmos os mesmos passos de criação de gráficos que já fizemos nos exemplos anteriores, teremos como resultado o seguinte gráfico de linhas:

Notamos que todos os clientes selecionados estão com uma tendência de alta, alguns mais agressivamente do que outros. Ainda assim, não tivemos compras deles nos meses 2, 4, 5 e 7! Essa situação pode denotar que um trabalho para aumentar a perenidade das compras pode ser uma estratégia comercial faltante, mesmo com os clientes que mais compram.

Executar nosso relatório em modo Exibir nos trará a visão de 5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

167

Business Intelligence

como o produto final será visto por nossos usuários:

Uma boa prática nesse momento é apresentar esse relatório antes mesmo de publicá-lo a fim de ter o “aceite” dos usuários.

Cores, títulos, disposições sempre sofrem alteração no momento em que se apresenta o produto final ao usuário. Estando tudo aprovado, vamos ao processo de publicação!

No segundo capítulo, quando instalamos o SQL e configuramos

o Reporting Services, havíamos visitado o site de relatórios, que no nosso exemplo é

http://localhost/reports_BIPRD . Se

entrarmos novamente nesse endereço, veremos a página inicial do SSRS!

O que faremos é organizar nossos relatórios em pastas. Essa organização facilitará o processo de permissão. Uma boa prática é criar uma pasta para cada departamento, e nela colocar os relatórios que serão acessados pelos usuários daquela área. Uma pasta Presidência ou Board pode ser criada para um público que verá os dados mais sensíveis da empresa. Vamos usar esse exemplo e colocar o nosso dashboard comercial em uma pasta chamada 168

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Business Intelligence

Board .

Antes de colocarmos nosso relatório no SSRS, temos de criar uma fonte de dados que será vinculada a ele. Como é um componente necessário apenas para o funcionamento dos

relatórios, os usuários não precisarão visualizá-la. Clique em Nova Pasta e dê o nome de DataSources . Cheque a opção Ocultar na visão lado a lado . Isso fará com que ela seja ocultada para os usuários em geral.

Depois, crie outra pasta chamada Board e não selecione a opção de ocultar. Com as duas pastas criadas, nossa página inicial do SSRS estará assim:

Ao lado direito, existe o ícone Exibição de Detalhes . Clique nessa opção e veja que as duas pastas que criamos passaram a ser exibidas (uma abaixo da outra). Clique na pasta Datasources , e 5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

169

Business Intelligence

depois em Nova Fonte de Dados . Vamos criar uma fonte de dados (tal qual fizemos no Visual Studio), preenchendo servidor, banco de dados, usuário e senha, conforme a seguir:

Clique em Testar Conexão e, tendo tido êxito, clique em OK .

Volte para a página inicial do SSRS onde veremos a pasta Board .

Clique nela e depois em Carregar Arquivo .

Clique em Procurar... para subir o arquivo do nosso dashboard. Para tanto, vá na pasta da solução do Visual Studio e 170

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Business Intelligence

ache o arquivo DashboardVendas.rdl . Este é o que o Visual Studio cria com as definições de relatório e, carregando-o para o SSRS, teremos o relatório executado diretamente no browser!

Por padrão, o seus arquivos .rdl devem estar na pasta com o nome da solução dentro de Documentos\Visual Studio

2013\projects\... .

Clicando em abrir ao selecionar o arquivo, retorna-se para a tela de upload. Você pode alterar o nome do arquivo para um nome mais amigável (colocando “de” entre Dashboard e Vendas, por exemplo):

Clique em OK e o relatório estará publicado! Selecione a seta ao lado direito do relatório e clique em Gerenciar . Selecione a aba Fonte de Dados à esquerda e note a mensagem de erro: A 5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

171

Business Intelligence

Business Intelligence

referência da fonte de dados compartilhados não é mais válida . Para corrigir esse problema, clique em Procurar e selecione a fonte de dados que criamos há pouco no SSRS:

Clique em OK e em Aplicar na tela anterior (não se esqueça de clicar no Aplicar !). Volte para a página inicial e clique novamente em Board para ver nosso relatório publicado:

Clique no relatório e ele será exibido tal qual foi construído no Visual Studio:

172

5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

Business Intelligence

Bastará informar a URL do SSRS, ou colocá-la em um link na

sua intranet, que seus usuários acessarão os relatórios que, por sua vez, estarão acessando os dados do DW que, novamente, serão carregados diariamente! Sem intervenção nenhuma, os dados passam das origens para os consumidores!

A dúvida que deve ter lhe acometido agora é quanto à segurança! Como garantir que somente um determinado público tenha acesso a cada uma das pastas? O SSRS funciona atribuindo-se papéis aos usuários (ou grupo de usuários) para cada pasta. Na aba de Configuração do Site (bem acima e à direita) e Configuração da Página (ao lado de Subir Arquivo ), existem as opções de segurança nas quais se inserem os usuários e se define os papéis de cada um.

Um estudo detalhado do SSRS é muito recomendado nesse ponto não só para as questões de segurança e acesso, mas também para a criação de relatórios avançados, incorporação de ferramentas externas etc. Recomendo fortemente a leitura do livro Pro SQL

Server 2012 Reporting Services. Ele trata da versão 2012 e Enterprise, 5.3 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO DASHBOARD

173

e nós estamos usando a 2014 Express. Mas não se preocupe. A diferença de ano não tornou o livro obsoleto. Ter em mãos um livro com as funcionalidades das versões completas do produto pode ser bastante útil! Claro que uma vasculhada nas lojas lhe renderá uma centena de outras opções de bons livros sobre o tema (quem sabe eu escreva um também ☺)!

Mas tal qual o T-SQL, não deixe de se aprofundar nos conhecimentos do SSRS!

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO

DE DETALHE

Fizemos um dashboard com o Reporting Services que será consumido pelo nível corporativo de consumo de dados, e agora vamos criar um relatório detalhado para atender ao nível departamental. Por definição, Business Intelligence serve à tomada de decisão e não seria focado em questões operacionais. Mas temos os dados todos no nosso DW, e dar suporte à operação se torna quase que um ganho colateral.

O exemplo seria um relatório de Posição do Cliente. Imagine que um vendedor vai efetuar uma visita comercial e quer saber o resumo do relacionamento desse cliente com a empresa. Nesse relatório, nosso vendedor escolherá o cliente e o relatório exibirá os dados conforme a seleção! Um esboço do nosso relatório seria algo assim:

174

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

Business Intelligence

O interessante desse exemplo é que se trata de um relatório para 5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

175

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Business Intelligence

Vemos que o Id Cliente é solicitado e que tem-se o botão

Exibir Relatório que fará a requisição. Como esse id é uma informação interna do nosso DW, o usuário não tem como preencher esse campo!

O que faremos agora será criar uma forma amigável de preenchimento desse dado! Volte ao modo de edição do relatório ( Criar ) e clique com o botão direito sobre o parâmetro e selecione Propriedades do Parâmetro :

Na aba Geral , vá para a caixa prompt (que é o texto que será exibido ao usuário), troque Id Cliente por Selecione o Cliente: . Selecione a aba Valores Disponíveis e preencha com os dados do conjunto de dados que criamos, chamado ListaClientes , conforme a figura demonstra:

180

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

Business Intelligence

Ou seja, teremos os valores obtidos de uma consulta que será a ListaClientes , cujo campo de valor (que será passado aos conjuntos de dados) será o IdCliente e o campo de rótulo (que será visualizado pelos usuários) será o Nome ! Se executar novamente o relatório no modo de exibição, notará que o parâmetro já trará a lista dos clientes para serem selecionados.

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

181

Business Intelligence

Ajustado o parâmetro, podemos criar nossos componentes gráficos para serem exibidos no relatório. Vamos iniciar colocando os dados do cliente como um cabeçalho! A ideia é deixar esses dados em destaque, com uma fonte um pouco maior para rápida identificação.

Para tanto, vamos arrastar o componente Caixa de texto três vezes para a área do relatório e atribuir a cada um deles os valores do conjunto de dados DadosCliente . Assim, basta clicar com o botão direito em cada caixa e selecionar Expressão... .

Para cada uma, selecione os valores do conjunto de dados desejado com o comando:

=First(Fields!nome.Value, "DadosCliente")

Podemos ajustar a fonte, colocar uma linha acima e outra abaixo 182

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

Business Intelligence

Business Intelligence

dos dados do cliente, enfim, deixar da forma que nossos usuários desejam! Feita essa parte simples, podemos executar o relatório pelo modo Exibir e selecionar um cliente qualquer no parâmetro. O

relatório já trará os dados desse cliente:

Vale mencionar que qualquer informação relevante de Cliente

que esteja disponível em sua empresa deve ser levada ao DW e, eventualmente, apresentada nesse relatório. É sempre útil incluir dados como endereço, telefones, cargo etc.

Avançando para o gráfico de vendas mês a mês, bastará recriarmos os passos do dashboard, arrastando o componente de gráfico para o relatório, arrastando os dados de Valores e Mês do conjunto de dados VendasMensal e criando o campo calculado de média. Se tiver alguma dúvida, retorne ao exemplo do dashborad.

Nosso resultado ficará como o a seguir:

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

183

Business Intelligence

Business Intelligence

Arraste um outro componente de gráfico logo abaixo desse que fizemos e siga os mesmos passos de criação do gráfico anterior, mas agora com o conjunto de dados Produtos Mensal . Teremos um

novo gráfico:

Vamos colocar uma tabela logo abaixo e vamos vinculá-la ao conjunto de dados de Notas Fiscais. Para tanto, arraste uma tabela para baixo do último gráfico. Por padrão, ela terá três colunas (exatamente o que necessitamos) e duas linhas, sendo que a primeira é um cabeçalho e a segunda conterá os detalhes, que no nosso caso será de 10 linhas.

Arraste os campos do nosso Conjunto de Dados de Notas Fiscais diretamente para a célula de Detalhe, primeiro o NrNF , depois a Data e, por último, o VlrAtual . Note que o cabeçalho recebeu esses nomes. Podemos editá-lo para nomes mais significativos, inclusive adicionando uma nova linha acima do cabeçalho (e fazendo o “merge” das colunas) para conter o nome da nossa tabela! O resultado ficará assim:

Dessa forma, o relatório encontra-se finalizado e podemos executá-lo em modo de exibição para avaliar o resultado. Lembre-se de formatar os campos e alinhar os componentes todos, a fim de 184

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

Business Intelligence

Business Intelligence

tornar a exibição o mais agradável possível.

Uma vez estando tudo certo, vamos repetir o processo de upload do arquivo .rdl na pasta que criamos para o Comercial:

Executando esse relatório, o comportamento será ligeiramente diferente, porque, por ter a necessidade de parâmetros, teremos de selecionar o Cliente antes de termos a exibição de alguma informação:

Tendo selecionado um Cliente e clicando-se em Exibir Relatório , à direita, o relatório é exibido com os dados do Cliente selecionado:

5.4 CRIAÇÃO E PUBLICAÇÃO DO RELATÓRIO DE DETALHE

185

Business Intelligence

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA

PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA

Fizemos a criação de alguns relatórios para disponibilizarmos para nossos diretores, gerentes comerciais e vendedores, atendendo às demandas corporativas e departamentais. Mas, muito

provavelmente, esses relatórios não atenderão a todas as necessidades, e mais e mais solicitações de criação de novos relatórios serão recebidas pelo time do Business Intelligence.

Mesmo criando relatórios de forma muito rápida (como vimos,

o Visual Studio nos permite criar e publicar relatórios no SSRS de 186

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA

forma extremamente performática), teremos usuários que necessitarão de análises complexas, buscas de fenômenos de formas inesperadas e dinâmicas. Para esse público, o BI Pessoal, muitas vezes chamado de self stracted BI (ou ainda self service BI), é o que deve ser entregue.

Existem várias formas de distribuir o Business Intelligence Pessoal. Entretanto, vamos tratar por hora de uma das formas mais difundidas e versáteis: a consulta dinâmica, ou PowerPivot do Excel.

Para tanto, temos antes que disponibilizar uma fonte de dados para ser conectada à planilha e possibilitar o pivoteamento de dados. O comando a seguir cria uma View , ou seja, uma visão dos dados do nosso DW.

CUIDADO

Faremos uma View com todos os dados do nosso DW, a fim

de disponibilizar consultas sem nenhum tipo de limitação ao

usuário final. Isso pode causar uma grande demora nas execuções e um tráfego de rede bastante pesado.

Se performance se tornar um problema, estará na hora de avaliar a implantação de estruturas multidimensionais (os cubos do SSAS, por exemplo) em seu ambiente, ou a inclusão

de filtros que, por exemplo, disponibilizam apenas os dados do ano corrente para serem trabalhados, ou os dados já

sumarizados.

Feita essa observação, vamos ao comando de criação da nossa

View .

Create View Vw_AnaliseDW

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA 187

as

Select

a.Data,

c.Dia,

c.Mes,

c.Ano,

d.Cod_Cliente,

d.Nome as ClienteNome,

d.Email,

e.Nome as FuncNome,

e.Login,

f.Nome as RegiaoVendas,

g.Sigla as Pais,

h.Nome as GrupoGeo,

i.Nome as Produto,

i.Cod_Produto,

b.Vlr_Unitario,

b.Qtd_Vendida

From F_Venda as a inner join F_VendaDetalhe as b on

a.Data

= b.Data

and

a.Nr_NF

= b.Nr_NF

and

a.Id_Cliente

= b.Id_Cliente

and

a.Id_Funcionario =b.Id_Funcionario

and

a.Id_RegiaoVendas=b.Id_RegiaoVendas

inner join D_Data as c on

a.Data = c.Data

inner join D_Cliente as d on

a.Id_Cliente = d.Id_Cliente

inner join D_Funcionario as e on

a.Id_Funcionario = e.Id_Funcionario

inner join D_RegiaoVendas as f on

a.Id_RegiaoVendas = f.Id_RegiaoVendas

inner join D_Pais as g on

f.Id_Pais = g.Id_Pais

inner join D_GrupoGeografico as h

on g.Id_GrupoGeo = h.Id_GrupoGeo

inner join D_Produto as i on

b.Id_Produto = i.Id_Produto

Where i.Ativo = 1 -- Apenas para Produtos ativos

Criada a View , pode-se dar permissão pelo SQL Server por usuário (ou a grupos de usuários do AD) para que somente um determinado público tenha acesso a essa estrutura, bem como criar diversas views com filtros de dados na cláusula where , tendo uma para cada Região de Vendas, por exemplo, e para cada uma tem-se a permissão para um grupo do AD formado por vendedores apenas

188

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA

Business Intelligence

daquela região. Dessa forma, implementa-se uma segurança ao nível dos dados que são apresentados!

Tendo a nossa View , vamos vinculá-la a uma PowerPivot do

Excel para podermos navegar pelos dados. Logo, seguiremos um passo a passo:

1. Abrindo o Excel, clique na aba PowerPivot (conforme configuração que fizemos anteriormente) e clique em

Gerenciar . Será apresentada a janela de gerenciamento da PowerPivot:

2. Clique em Obter Dados Externos (do Banco de Dados >

do SQL Server) para criar uma conexão com o nosso DW.

Renomeie a conexão para DW e aponte para nossa instância

de SQL. Em segurança, use autenticação do Windows para garantir que somente usuários com as devidas permissões serão capazes de acessar os dados (se essa planilha for aberta por outro usuário, os dados não serão atualizados).

3. Clique em Próximo e mantenha checado o item

Selecionar itens em uma lista de tabelas e

exibições para escolher os dados a serem

importados . Em Próximo , aparecerá a lista de todas as tabelas e visões disponíveis. Selecione a vw_AnaliseDW que fizemos anteriormente e selecione Concluir .

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA 189

Business Intelligence

4. Assim que a importação terminar, clique em Finalizar e os dados serão exibidos em um preview. No Ribbon da Power Pivot, clique em Tabela Dinâmica . Você será

automaticamente encaminhado novamente para a planilha do

Excel, na qual poderá selecionar a célula na qual a tabela será incluída. Mantenha o padrão e clique em OK .

5. A área da tabela dinâmica será exibida à esquerda, e a lista de campos e áreas de soltura serão apresentados à direita:

190

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA

Business Intelligence

Business Intelligence

6. Arrastando os campos disponíveis para Filtros, Colunas, Linhas e Valores, pode-se montar uma infinidade de

combinações de visualizações:

Nesse exemplo, selecionamos a comparação do Total de

vendas das Regiões de Vendas da França e Estados Unidos, ano a ano. Poderíamos fazer qualquer cruzamento necessário

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA 191

Business Intelligence

entre os dados disponíveis. Com um pouco mais de atuação

com as opções da aba Analisar e Design da PowerPivot,

um dashboard bem mais significativo pode ser feito com alguns cliques:

Utilizando-se dos comandos da PowerPivot, diversos

dashboards podem ser montados, inclusive com

Segmentação de Dados que são os filtros por seleção (no exemplo, usei Ano e País) que, ao serem selecionados, afetam todos os gráficos e tabelas da planilha.

Salvando a planilha, você poderá enviá-la para seu usuário, e este poderá trabalhar em suas próprias análises sem a necessidade de novos desenvolvimentos por parte da equipe de BI. Se ele receber uma mensagem de erro do SQL por falta de autorização, bastará criar um acesso para ele no Servidor (criação de um novo logon na aba de segurança do SQL Server) com permissão de leitura à view que criamos para esse fim!

Para maiores detalhes, tanto do processo de criação dos dahsboards e uso dos recursos da PowerPivot quanto do processo 192

5.5 CRIAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DA PLANILHA DE CONSULTA DINÂMICA

de acesso ao SQL Server mediante logons de usuário e demais questões como o Power Query, o livro Power Pivot and Power BI: The Excel User's Guide to DAX, Power Query, Power BI & Power Pivot in Excel 2010-2016, de Rob Collie, é uma excelente fonte de conhecimentos!

5.6 CONCLUSÃO

Vimos nossos dados ganhando vida! De um sistema

transacional, os dados passaram por um processo de carga e foram armazenados em um Data Warehouse. De lá, foram postos em perspectiva, mensurados, avaliados e comparados!

No próximo capítulo, veremos como estender um pouco mais as

funcionalidades do nosso Business Intelligence sob a plataforma gratuita do SQL Server Express, a fim de garantir que seus investimentos em licenciamento só ocorram quando, de fato, forem imprescindíveis!

5.6 CONCLUSÃO

193

CAPÍTULO 6

ESTENDENDO A SUA

PLATAFORMA GRATUITA

6.1 ALTERNATIVA PARA A LIMITAÇÃO DE

TAMANHO DO DATA WAREHOUSE

Seguindo a filosofia de conter ao máximo a necessidade de investimento em licenças, podemos dar uma sobrevida à nossa plataforma gratuita quando ela estiver crescendo em tamanho do DW e aproximando-se do limite do SQL Server 2014 Express, que é de 10GB por base de dados. Fato é que, quanto maior for nosso DW, maior será o consumo de memória para a execução das consultas e maiores serão as requisições de consultas feitas contra ele. Ou seja, o tamanho do DW será somente um dos problemas que a plataforma enfrentará em seu crescimento.

Os demais problemas não temos como contornar. Porém, este

pode ser transposto com uma alternativa pouco ortodoxa, mas que surte o efeito necessário,

Crie suas tabelas de Dimensão em uma base de dados e as Fato em bases diferentes! Essa abordagem simples causará um impacto nos processos administrativos e nas consultas (os nomes das tabelas terão que ser trabalhados para incluir o banco de dados), mas que pode ajudar a manter a plataforma utilizável por mais tempo.

No exemplo do nosso Data Warehouse, utilizando essa

194

6 ESTENDENDO A SUA PLATAFORMA GRATUITA

Business Intelligence

abordagem, teríamos algo como:

Os processos de carga fariam o insert do DS diretamente para a base DW correta, e as consultas teriam os nomes das tabelas completamente qualificados, ou seja, contendo o nome do banco, do owner, da tabela e da coluna. Algo como consulta de Volume de Vendas que fizemos para nosso dashboard:

Select

Month(Data) as Mes,

Sum(Vlr_UNitario * Qtd_vendida) as VlrAtual,

0 as VlrAnterior

from DW_FatoVendasDetalhes..F_VendaDetalhe as a

where a.Data between dateadd(month,-5,@DataAtual) and @DataAtual group by Month(Data)

union all

Select

Month(Data) as Mes,

0 as VlrAtual,

Sum(Vlr_UNitario * Qtd_vendida) as VlrAnterior

from DW_FatoVendasDetalhes..F_VendaDetalhe as a

where a.Data between dateadd(month,-5,@DataAnterior) and @DataAnte rior

group by Month(Data)

Note que, em vermelho, o nome da tabela passa a contar com o nome do banco e o “ponto, ponto” que indicam o owner padrão.

Dessa forma, cada banco (ou seja, cada Fato) poderá ter 10GB de tamanho. Sua solução de BI ganhará uma sobrevida até que um licenciamento seja feito e um SQL Server full seja instalado, ou um SQL Azure contratado, o que permitirá o uso de bases de dados virtualmente ilimitadas.

6.2 REPORTING BUILDER

6.2 REPORTING BUILDER

195

Business Intelligence

O Reporting Builder é uma ferramenta com a qual o usuário final desenvolve e publica seus próprios relatórios que ficarão disponíveis no SSRS. Deve-se dar a devida permissão para os usuários que farão a publicação por meio do Reporting Builder. Mas uma vez dada e de posse da ferramenta, pode-se dar aos power users a possibilidade de criar seus relatórios!

Para tanto, vamos criar uma pasta no servidor que contemplará os relatórios feitos pelos usuários dentro de cada uma das pastas departamentais. Na página do Reporting Services, abriremos a pasta Comercial e, dentro dela, criaremos uma nova pasta chamada Relatórios de Usuários . Todos os relatórios publicados pelos usuários ficarão ali. Será nessa pasta que daremos acesso aos usuários para a role chamada Construtor de Relatórios :

Para adquirir o Reporting Builder, basta fazer o download (gratuito)

em

https://www.microsoft.com/pt-

br/download/details.aspx?id=42301. Arquivo baixado, basta fazer a instalação nas máquinas de quem usará o recurso. Essa instalação é feita de forma simples, bastando clicar duas vezes sobre o instalador, clicar em Seguinte e aceitar o contrato de licenciamento.

Depois disso, o instalador questionará sobre a URL de publicação, mas que podemos deixar em branco por hora. Clique 196

6.2 REPORTING BUILDER

Business Intelligence

em Seguinte até o instalador iniciar a instalação e, ao final, abra o Reporting Builder:

O conceito é bastante parecido com o do Visual Studio.

Possuímos DataSources que são as origens de dados, os Datasets que são os conjuntos de dados, e os parâmetros e as ferramentas que agora estão no ribbon acima. A interface é mais simplificada, mas pode-se criar relatórios bastante completos!

Contudo, antes de iniciar, note que, no rodapé esquerdo do Reporting Builder, existe a notação de que ele não está conectado a nenhum servidor de relatórios. Para conectá-lo, basta colar a URL

do nosso Reporting Services, mas alterando a palavra Reports para


ReportServer

,

dessa

forma:

http://NomeDoSeuServidor/Reportserver_BIPRD .

Se a conexão foi realizada, a informação terá alterado para: 6.2 REPORTING BUILDER

197

Business Intelligence

Com essa interface, é possível criar os relatórios tal qual fizemos no Visual Studio. Contudo, o processo de publicação e as ferramentas de composição do relatório são mais simples e podem ser aprendidas por power users com muito menos esforço de treinamento que a versão completa do Visual Studio.

6.3 POWER BI DESKTOP

Dar mais e mais opções para que os usuários possam criar seus indicadores e suas análises é sempre uma boa forma de extrair ao máximo o que uma plataforma de BI pode oferecer. É bem verdade que os relatórios do Reporting Service não são simples para o usuário final, e que o Excel nem sempre oferece a melhor formatação de um dashboard!

Mas, pensando nesse gap, em 2016 a Microsoft lançou o Power

BI com diversos recursos, diversas ferramentas e “espalhado” em diversas plataformas. Tem-se o Power BI como ferramenta em Cloud, como um app para celular e, como veremos, um aplicativo desktop de criação de Dashboard bastante interessante.

Pelo link https://powerbi.microsoft.com/pt-br/desktop/, você faz o download da ferramenta, bastando para isso preencher um cadastro com seu nome, e-mail e país. Feito o download, execute o instalador, aceitando o contrato de uso e selecionando o local de instalação.

198

6.3 POWER BI DESKTOP

Business Intelligence

A partir daí, o Power BI Desktop estará instalado e pronto para o uso. Ah, como você notou, ele é 100% gratuito e poderá ser mantido em seu ambiente mesmo com outra plataforma que não a SQL Server (ele possui conector para dezenas de origens de dados, inclusive Facebook, SalesForce, SAP BW, e diversos outros)!

Executando o Power BI, a interface será a de um canvas em branco para a criação do seu dashboard, a caixa de ferramentas à direita e o ribbon acima com as opções contextualizadas.

Clicando no botão Obter Dados do ribbon, pode-se optar pelo SQL Server e fazer a conexão com o nosso DW (inserindo as informações de servidor e base de dados tal qual fizemos na Power Pivot).

Novamente, selecione a nossa view vw_AnaliseDW na lista de tabelas e visualizações que aparecerá e estaremos com o Power BI pronto para o uso! Usando as ferramentas de Visualizações e de Campos, é possível criar os gráficos e tabelas de forma simples e posicioná-los no canvas juntamente com filtros de página:

6.3 POWER BI DESKTOP

199

Business Intelligence

O Power BI pode ser usado offline, pois, ao criar um dashboard nele, é gerado um arquivo de extensão .pbix que pode ser reaberto, atualizado, enviado para outros usuários etc., bem como pode-se publicar no Portal do Power BI do Office 365, para acesso diretamente pelo browser. Entretanto, esse serviço é disponibilizado mediante a assinatura do 365.

6.4 CONCLUSÃO

Nossos dados saíram dos sistemas transacionais e foram postos no Data Warehouse! Deixaram de ser apenas dados e viraram informação.

Informação que pode guiar as decisões de uma empresa, definir as ações de uma equipe, ou revelar comportamentos inesperados que implicam em erros ou até mesmo em fraudes! A utilização dessa plataforma, aliada à experiência de negócio de cada usuário, passa a gerar conhecimento! Esse conhecimento, por sua vez, torna a empresa mais focada, mais competitiva, mais integrada, com menos perdas. O conhecimento vira valor!

E agregamos valor ao nosso negócio com um investimento 200

6.4 CONCLUSÃO

baixíssimo! Depois de discorrer sobre o passo a passo para implementar uma plataforma inteira de BI, sem a necessidade de licenciamentos milionários ou de “software assurance” anual, espero ter desfeito a visão de que Business Intelligence é para poucos, de que é caro ou complicado!

É certo que o seu BI passa agora a ser um organismo vivo que receberá mais e mais importância, e mais e mais usuários estarão dependendo dele para as tarefas do dia a dia. Mais dimensões, mais fatos, mais visões. As limitações do que apresentamos neste livro em breve se farão sentir!

O Data Warehouse começará a ficar grande e chegará ao limite máximo do SQL Server Express. O tempo de resposta dos relatórios poderá começar a crescer, funcionalidades adjacentes poderão se tornar relevantes, como exibições em dispositivos móveis, acessos por clientes que não estão na sua rede interna etc.

Em algum momento no futuro, sua plataforma poderá

necessitar de um “upgrade” para contemplar funcionalidades ou capacidades que apenas softwares pagos poderão fornecer. Antes de decidir por embarcar nessa nova fase da jornada, estude (mesmo!) as necessidades dos seus usuários, as funcionalidades de cada ferramenta e os conceitos acadêmicos que suportam cada tecnologia!

Como quase todo o projeto de implantação de sistemas que presenciei ou tive conhecimento, o sucesso ou o fracasso da implantação, ou evolução de uma plataforma de um BI (e de outras disciplinas), está muito mais atrelado ao time, na competência e no comprometimento de cada um, do que nos softwares envolvidos.

6.4 CONCLUSÃO

201


home | my bookshelf | | Business Intelligence |     цвет текста   цвет фона   размер шрифта   сохранить книгу

Текст книги загружен, загружаются изображения
Всего проголосовало: 1
Средний рейтинг 1.0 из 5



Оцените эту книгу